“Depois do sucesso em Roma, Coaracy Nunes se defende das critícas, fala em repatriar Cielo e faz um balanço do atual momento da natação no Brasil”

Coaracy Nunes
Foto Coaracy Nunes Coaracy Nunes foi reeleito, sem oposição, para mais quatro anos de mandato à frente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos no início desse ano. Agora, o dirigente tem seu caro garantido até 2012, anos dos próximos Jogos Olímpicos. No momento, Nunes comemora o sucesso brasileiro no Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Roma. O melhor desempenho esportivo da história, no entanto, não apaga as críticas à sua administração. Notório opositor da continuidade antes de sua entrada na CBDA, Coaracy hoje é o segundo presidente de confederação há mais tempo no poder, atrás apenas de Gesta de Mello, do atletismo, que está desde 1987. Nesse caminho, colecionou várias desavenças com atletas. As duas mais recentes foram com Joanna Maranhão e César Cielo. A nadadora questionou o apoio da entidade após uma sequência de resultados ruins em 2007, enquanto o velocista viu seus pais irem à mídia para denunciar uma suposta coação praticada por Coaracy na preparação para os Jogos Olímpicos de Pequim.

Número do dia

R$ 510 mi

Foi a arrecadação do Flamengo em 2016; cerca de 60% desse valor foi com verba de televisão (R$ 297 milhões)

Autoline

Patrocinado por


Banner

Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por entrega a parceiros, Globo reforça Cartola
2Adidas perde para marca dinamarquesa a bola da Bundesliga
3Combate muda conteúdo para sair de nicho e crescer
4Peugeot apresenta carro com a marca de Roland Garros
5Adidas faz campanha online por uniforme do Flamengo
6Casa Palmeiras terá presença e ídolo e transmissão de jogo da Libertadores
7Análise: Marketing precisa coibir o marqueteiro
8Internacional põe sócios-torcedores para entregar camisa a reforço
9No meio do jogo, Neymar troca chuteira feita pela Nike exclusivamente para ele
10Com preços mais baixos, paulistas passam a dominar sócio-torcedor