“Depois do sucesso em Roma, Coaracy Nunes se defende das critícas, fala em repatriar Cielo e faz um balanço do atual momento da natação no Brasil”

Coaracy Nunes
Foto Coaracy Nunes Coaracy Nunes foi reeleito, sem oposição, para mais quatro anos de mandato à frente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos no início desse ano. Agora, o dirigente tem seu caro garantido até 2012, anos dos próximos Jogos Olímpicos. No momento, Nunes comemora o sucesso brasileiro no Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Roma. O melhor desempenho esportivo da história, no entanto, não apaga as críticas à sua administração. Notório opositor da continuidade antes de sua entrada na CBDA, Coaracy hoje é o segundo presidente de confederação há mais tempo no poder, atrás apenas de Gesta de Mello, do atletismo, que está desde 1987. Nesse caminho, colecionou várias desavenças com atletas. As duas mais recentes foram com Joanna Maranhão e César Cielo. A nadadora questionou o apoio da entidade após uma sequência de resultados ruins em 2007, enquanto o velocista viu seus pais irem à mídia para denunciar uma suposta coação praticada por Coaracy na preparação para os Jogos Olímpicos de Pequim.

Número do dia

20 milhões

de dólares custou o novo estádio para 45 mil pessoas do Cerro Porteño, do Paraguai, que foi inaugurado no último fim de semana.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Esporte se levanta contra repercussão de Sportflix
2 Análise: Copa é maior desafio das TVs após bolha
3Grêmio fecha patrocínio com rede hoteleira
4Análise: Esporte deveria se manter longe do jogo político
5Fox Sports oficializa transmissão da Copa do Mundo da Rússia
6Fórmula 1 cria campeonato e entra no mundo dos e-Sports
7Oakley patrocina principal prova de ciclismo da América Latina em SP
8Esporte Interativo transmitirá Copa do Mundo de Ginástica até 2020
9Nike ativa atletas com lançamento de quadra em São Paulo
10NFL fecha parceria para transmissão via plataformas digitais na China