“Responsável pelo Ironman Brasil diz que evento movimenta quase R$ 20 milhões, mas que torneio ainda tem muito espaço para crescer”

Carlos Galvão
Foto Carlos Galvão Nascido em Brasília, mas radicado em São Paulo, Carlos Galvão, 37, é sócio fundador e diretor executivo da Latin Sports. A empresa teve início com a aquisição da licença do Ironman para o Brasil, resultando na realização do Ironman Brasil Telecom, maior evento de triathlon da América Latina. Galvão também idealizou eventos como o Ayrton Senna Racing Day, uma maratona de revezamento em homenagem ao piloto, em parceria com o Instituto Ayrton Senna, e o Track&Field Run Series - Shopping Villa-Lobos, um circuito de corridas de rua recheado de novidades. Formado em administração de empresas, também é especialista em Administração Esportiva, pela FGV-SP e em Sports, Entertainment & Events Marketing pela NYU, nos EUA. Além de exercer funções de CEO, é triatleta, atingindo resultados relevantes, como vice-campeão brasileiro de triathlon em 2002, 5º lugar no Campeonato Sulamericano de Triathlon em 2000, 3º lugar no Campeonato Paulista de Duathlon em 2000 e Campeão Paulista de Triathlon em 1999, além de disputar provas de Ironman

Número do dia

R$ 510 mi

Foi a arrecadação do Flamengo em 2016; cerca de 60% desse valor foi com verba de televisão (R$ 297 milhões)

Autoline

Patrocinado por


Banner

Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por entrega a parceiros, Globo reforça Cartola
2Adidas perde para marca dinamarquesa a bola da Bundesliga
3Combate muda conteúdo para sair de nicho e crescer
4Peugeot apresenta carro com a marca de Roland Garros
5Adidas faz campanha online por uniforme do Flamengo
6Casa Palmeiras terá presença e ídolo e transmissão de jogo da Libertadores
7Análise: Marketing precisa coibir o marqueteiro
8Internacional põe sócios-torcedores para entregar camisa a reforço
9No meio do jogo, Neymar troca chuteira feita pela Nike exclusivamente para ele
10Com preços mais baixos, paulistas passam a dominar sócio-torcedor