Em meio às dificuldades financeiras que a maior parte dos novos estádios brasileiros vivem, a WTorre tem refeito as contas com o Allianz Parque. E não é por administração de dívidas, mas sim por adiantamento no retorno do investimento realizado para a construção da arena do Palmeiras.

A construtora não abre valores de faturamento por questão contratual, mas a WTorre prevê, no momento, que o retorno com o estádio deva acontecer entre o oitavo e décimo ano da arena. Originalmente, a empresa tinha previsão de recuperar os investimentos entre o 12º e o 13º ano.

Para a WTorre, há considerável importância em antecipar o retorno. A cada cinco anos, o Palmeiras passa a ganhar mais 5% do lucro líquido do Allianz Parque. A partir do 15º ano, o clube fica com 20%, o que, na questão financeira, o torna sócio majoritário do negócio.

No total, a WTorre investiu R$ 690 milhões na obra. O valor inclui a demolição do antigo Palestra Itália, a construção de prédios para o clube e até intervenções nas vias ao redor da arena.

Em conversa com a Máquina do Esporte, Rogério Dezembro, CEO do braço da WTorre que gerencia o estádio, a Capital Live, reforçou o plano da companhia com o Allianz Parque. “Temos uma série de compromissos com os parceiros aqui: eu preciso ter outras atividades fora do futebol. Se eu tiver só jogo, eu sou só mais um estádio de futebol. Essa diversidade de atividades é que torna a arena atrativa ao mercado”.

Os ganhos do estádio são provenientes de vendas de camarotes, publicidade e alugueis, além das 10 mil cadeiras que a WTorre já comercializa após entrar na justiça com o Palmeiras. Mas Dezembro admite que o carro-chefe do estádio ainda é o futebol: “O calendário de jogos é a principal atração da arena. É mau negócio tirar o Palmeiras do Allianz Parque”.

O plano com shows é uma particularidade do modelo de negócios da WTorre. Ao considerar apenas o aluguel do estádio, eles não representam ganhos à administração quando o Palmeiras é deslocado de sua casa; o time tem que ser ressarcido por isso. No entanto, os acordos comerciais são valorizados porque incluem a presença de shows, inclusive no contrato com a Allianz.

Até mesmo os camarotes têm o acordo. Alguns torcedores chegam a reclamar da saída do time do estádio, mas a maioria das cabines é vendida para pessoas jurídicas, que também se beneficiam com as apresentações musicais.


Notícia Allianz Parque WTorre

Número do dia

R$ 151 mi

Faturou o Palmeiras nos quatro primeiros meses deste ano; valor é R$ 39,5 milhões maior em relação a 2016.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Análise: Brasileirão pode virar subproduto até no Brasil
2Análise: Chelsea errou duas vezes com jovem brasileiro
3CBF ignora Maracanã, e seleção volta a jogar em São Paulo
4TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década
5Aston Martin negocia com Fórmula 1, mas força custos menores
6Puma registra aumento de vendas em 2017
7Nos Estados Unidos, Allianz fecha mais um estádio
8Por internacionalização, La Liga faz parceria com rede de hotéis
9Para ativar temporada, La Liga lança promoção
10Atlético Paranaense premia sócios para mostrar nova camisa