Quem Somos

A Máquina do Esporte, maior mídia sobre negócios do esporte e marketing esportivo do Brasil, foi criada em abril de 2005 pelo jornalista Erich Beting. Em junho do mesmo ano, o site foi colocado no ar. Em 20 de julho, começou uma parceria de conteúdo com o UOL.

Desde então, a Máquina do Esporte se consolidou como referência no jornalismo de negócios do esporte, tornou-se também uma marca multimídia, ao fazer sua estréia na televisão brasileira em 18 de agosto de 2006, no canal BandSports, e criou a primeira revista de marketing esportivo do Brasil em setembro de 2007.

Nossa Missão

Criar um padrão de cobertura jornalística na área dos negócios e bastidores do esporte, analisando de forma crítica o trabalho da indústria esportiva.

Ser a referência para a comunidade de administração, gestão e marketing esportivo brasileira, contribuindo para o desenvolvimento da indústria esportiva como um todo.

Nossos Valores

Realizar uma cobertura imparcial e crítica de tudo o que acontece no universo da administração, gestão e marketing esportivo brasileiro e mundial.

Contribuir com o desenvolvimento da indústria do esporte promovendo a discussão entre os principais players do mercado




Número do dia

R$ 510 mi

Foi a arrecadação do Flamengo em 2016; cerca de 60% desse valor foi com verba de televisão (R$ 297 milhões)

Autoline

Patrocinado por


Banner

Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por entrega a parceiros, Globo reforça Cartola
2Adidas perde para marca dinamarquesa a bola da Bundesliga
3Combate muda conteúdo para sair de nicho e crescer
4Peugeot apresenta carro com a marca de Roland Garros
5Adidas faz campanha online por uniforme do Flamengo
6Casa Palmeiras terá presença e ídolo e transmissão de jogo da Libertadores
7Análise: Marketing precisa coibir o marqueteiro
8Internacional põe sócios-torcedores para entregar camisa a reforço
9No meio do jogo, Neymar troca chuteira feita pela Nike exclusivamente para ele
10Com preços mais baixos, paulistas passam a dominar sócio-torcedor