A gestão estatal dos Jogos Olímpicos de Londres será o paradigma para a edição do evento no Rio de janeiro. O Ministério do Esporte prepara o lançamento de projetos de lei para repetir o modelo no Brasil e liberar as primeiras verbas ao comitê organizador, segundo informou a edição do último domingo da ?Folha de S.Paulo?. O primeiro passo será a revisão do orçamento da pasta para 2010. Para controlar os gastos, Ricardo Leyser, secretário nacional de Alto Rendimento, disse que será adotada a paridade fixa de US$ 2 por R$ 1. Atualmente, a cotação da moeda americana tem girado na casa de R$ 1,80. Da parte do governo federal, o plano é a criação da Autoridade Olímpica, repetindo o modelo inglês para Londres-2012. A ideia é que seja uma empresa pública que terá um executivo indicado pelo ministério, mas que poderá contratar profissionais especialistas no mercado. A previsão de gastos com as Olimpíadas é e US$ 14,4 bilhões, sendo que a construção de infraestrutura consumirá a maior parte de dinheiro federal. "Há diferença em relação ao modelo inglês porque eles dividem o trabalho por diversas agências. O nosso deve ser mais concentrado", declarou Leyser.


Notícia Direito e Política

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
4Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
5Mesmo com estatuto, São Paulo tem novo escândalo
6Neymar coloca Ligue 1 no topo da audiência da TV fechada
7 CBF confirma criação da Série D
8Dono do Manchester City negocia compra time na Espanha
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década