Revista Máquina do Esporte - Edição 13

O ano de 2011 marca o início de uma revolução no mercado do marketing esportivo no Brasil. Impulsionadas pela realização de Copa do Mundo e Jogos Olímpicos no país nesta década e, ainda, com boas perspectivas por conta do aquecimento da economia nacional, grandes agências de publicidade decidiram abraçar o mercado de marketing esportivo. Das estrangeiras Octagon, WPP e Havas, passando por figuras carimbadas como Ronaldo e o bilionário Eike Batista, o mercado esportivo brasileiro parece ser, também, a "bola da vez". Mas será que há vida além disso? O apetite dessas megaagências, pelo menos no discurso, vai para além de 2016. Veja ainda os detalhes da Nike 600k e números exclusivos que comprovam o sucesso do centenário corintiano.


R$ 10.00


Loja

Número do dia

€ 1 bi

Por ano pede a Série A da Itália pelos direitos televisivos; próxima negociação abrangerá período entre 2018 e 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Após venda para Heineken, Brasil Kirin deixa time de vôlei
2Jogo do Flamengo obtém melhor audiência do Brasileirão no Rio
3Palmeiras lança pacote para acompanhar jogo contra Inter pela Copa do Brasil
4Tottenham renova patrocínio máster por mais 5 anos
5Análise: Clubes precisam melhorar a entrega, se quiserem fidelizar patrocínio
6Asics apresenta no Rio novos uniformes da seleção de vôlei
7Robinho encerra imbróglio com Nike e fecha contrato com Adidas
8Com Crefisa, Palmeiras é top 10 entre camisas mais caras do mundo
9Análise: Estádio novo já é diferencial no mercado brasileiro
10Com Djokovic, Lacoste volta a ter presença no tênis