Revista Máquina do Esporte - Edição 13

O ano de 2011 marca o início de uma revolução no mercado do marketing esportivo no Brasil. Impulsionadas pela realização de Copa do Mundo e Jogos Olímpicos no país nesta década e, ainda, com boas perspectivas por conta do aquecimento da economia nacional, grandes agências de publicidade decidiram abraçar o mercado de marketing esportivo. Das estrangeiras Octagon, WPP e Havas, passando por figuras carimbadas como Ronaldo e o bilionário Eike Batista, o mercado esportivo brasileiro parece ser, também, a "bola da vez". Mas será que há vida além disso? O apetite dessas megaagências, pelo menos no discurso, vai para além de 2016. Veja ainda os detalhes da Nike 600k e números exclusivos que comprovam o sucesso do centenário corintiano.


R$ 10.00


Loja

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
2Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
3Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
4Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
5Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
6Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
7Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
8Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10LaLiga inova e anuncia patrocínio à equipe Renault na F1