Foto: Reprodução / Twitter (@nikebasketball)

A NBA é uma das ligas esportivas mais famosas do mundo. Os ginásios estão sempre lotados, os fãs estão espalhados pelo mundo inteiro e dinheiro não é problema. Só que não. Quando o assunto é o lado financeiro, a principal liga de basquete do mundo está com um sério problema.

De acordo com um relatório confidencial feito pelo Comissário Adam Silver e divulgado pela ESPN norte-americana, catorze das trinta franquias da NBA perderam dinheiro durante a última temporada. Quase metade. 

Aqui vale lembrar que o dinheiro compartilhado pelas franquias atualmente engloba as receitas de vendas de ingresso, estacionamento, concessões e acordos locais de transmissão de televisão.

O principal problema é que parte do dinheiro que entra com o lucrativo contrato de televisão da liga é distribuído de acordo com o mercado audiovisual local de cada um, o que beneficia as franquias que se localizam em estados com alta densidade populacional e maior penetração na televisão paga.

Para se ter uma ideia, o relatório revela diferenças gigantescas entre o Los Angeles Lakers, que consegue 148,1 milhões de dólares com seus acordos com a televisão local, e o Memphis Grizzlies, que alcança apenas 9,8 milhões de dólares, um número 15 vezes menor.

Pelo relatório, nove equipes ficaram no vermelho. São elas: Atlanta Hawks, Brooklyn Nets, Cleveland Cavaliers, Detroit Pistons, Memphis Grizzlies, Milwaukee Bucks, Orlando Magic, San Antonio Spurs e Washington Wizards.

Outras cinco franquias só não perderam dinheiro de fato por conta de uma espécie de imposto de luxo pago por algumas equipes, que é distribuído entre as menores. São elas: Charlotte Hornets, Minnesota Timberwolves, Phoenix Suns, Portland Trail Blazers e Sacramento Kings.

Ainda segundo o relatório, o novo contrato de televisão garante 24 bilhões de dólares para a NBA, mas esse valor, alcançado na última temporada, fez com que os jogadores reivindicassem salários mais altos. Dessa forma, em pouco tempo, o limite salarial passou de 60 milhões de dólares para 94 milhões de dólares, o que também ajudou a piorar a situação.

A divulgação das estatísticas forçou uma reunião em que será colocada a possibilidade de uma mudança na distribuição da receita gerada pela liga na tentativa de corrigir o problema. O encontro está marcado para os dias 27 e 28 de setembro e terá a participação de toda a alta cúpula da liga.


Notícia NBA receita televisão prejuízo dinheiro

Número do dia

30 milhões

de dólares deve investir o governo argentino para capacitar o autódromo de Buenos Aires para poder receber uma prova da Fórmula 1.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
2Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
3Barcelona acredita em 1 bilhão de euros em receitas antes de 2021
4Novo contrato entre Ferrari e Philip Morris quer “um mundo livre do fumo”
5Argentina negocia para voltar a receber Fórmula 1 em 2019
6Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
7Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
8Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
9Patrocinadores diversificam ativações no Rio Open
10Adidas põe 3 listras em 6 das 10 camisas mais vendidas do futebol