Foto: Reprodução

Em meio à tensão que cerca o jogo de volta pela repescagem europeia entre Itália e Suécia por uma vaga na Copa do Mundo da Rússia no ano que vem, a Puma conseguiu focar em outro negócio e anunciou que voltará a vestir a seleção de Israel após 10 anos.

A marca alemã substituirá a arquirrival Adidas. Para isso, pagará cerca de 97 mil euros por ano durante quatro anos de contrato. Puma e seleção israelense retomam, assim, uma parceria considerada vitoriosa por ambas, já que foram parceiras de 1996 a 2008.

Com o acordo com os israelenses, a Puma amplia sua participação no futebol internacional. A marca veste clubes importantes como Arsenal, Borussia Dortmund e Borussia Mönchengladbach e já anunciou que será fornecedora de material esportivo do Olympique de Marseille a partir da próxima temporada. Além disso, a imprensa italiana dá como certo um acordo com o Milan, depois que o clube italiano rompeu com a Adidas.

Apesar de tudo, no entanto, uma notícia pode atrapalhar bastante os planos da empresa. O carro-chefe da Puma no futebol mundial é a seleção da Itália, tetracampeã mundial e acompanhada por milhões de fãs em uma Copa do Mundo. A séria possibilidade da Azzurra não ir ao Mundial pode jogar por terra toda a tentativa da marca de crescer dentro do futebol internacional, objetivo traçado pela empresa para as próximas temporadas.

A imprensa alemã chega a especular que, caso a Itália não se classifique, o baque seria tão grande que a Puma poderia até ser colocada à venda, mesmo com os números divulgados no final de outubro que mostraram um crescimento da marca em 2017. Até o final de setembro, a empresa dobrou o lucro líquido em relação ao mesmo período de 2016 e alcançou pouco mais de 3 bilhões de euros em vendas, um aumento de 16,9%.

O motivo seria a concorrência cada vez mais difícil com as gigantes Nike e Adidas, o crescimento de marcas não europeias como a Under Armour na Europa e o ressurgimento da New Balance no cenário do futebol internacional com clubes como Liverpool e Porto.

Por isso tudo, a Puma torcerá como nunca para a Itália no jogo desta segunda-feira (13), diante da Suécia, no estádio San Siro, em Milão. A Azzurra precisa vencer o jogo, já que perdeu na ida, em Solna, por 1 a 0. Caso não consiga, será a primeira vez desde o Mundial de 1958 que os amantes do futebol assistirão a uma Copa sem o selecionado italiano. Para desespero da Puma.


Notícia Puma Itália Suécia Copa do Mundo Rússia 2018 repescagem Israel Azzurra

Número do dia

120 mi

De libras receberá Lewis Hamilton pela renovação com a Mercedes por mais três anos

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1'Limpo', Tite fecha contrato com Cimed
2Nike dá tênis comemorativo a jogadores do Corinthians
3Grêmio repete audiência da final da Copa do Brasil
4Análise: Esporte não pode ter medo de ganhar dinheiro
5Esporte lucra em feriado nos Estados Unidos
6LBF acerta com fornecedor de material AND1
7Meltex leva exposição do Palmeiras ao interior
8Em festa, Paraná deixa torcedor escolher preço de ingresso
9Atlético Mineiro e Topper celebram marca de sócios
10 Globo fecha com Banco Real para F-1