A prisão de Carlos Arthur Nuzman na manhã de quinta-feira fez abrir um vácuo de poder praticamente inédito na história recente do esporte brasileiro.

Desde que assumiu a presidência da Confederação Brasileira de Vôlei em 1975, Nuzman passou a ganhar espaço no esporte brasileiro. Foi um dos artífices da entrada de patrocínio de empresas no vôlei e, depois, com a ascendência da seleção nacional da modalidade na década seguinte, sua influência e poder não parou de crescer. Assumiu o Comitê Olímpico do Brasil em 1995 e, em 2009, levou os Jogos Olímpicos ao Rio de Janeiro, em eleição que agora tem fortes evidências de fraude.

Leia mais:

Ex-CBJ assume comando do COB após prisão de Nuzman

Com a prisão do dirigente, pela primeira vez em décadas o esporte do país não tem um claro dono. Na noite de ontem, o COB anunciou que Paulo Wanderley Teixeira, ex-presidente da Confederação Brasileira de Judô e atual vice do COB, está no exercício da presidência. Pelo menos pelos próximos cinco dias é ele quem manda no esporte brasileiro, mas a considerar a reação dos dirigentes esportivos, ainda é cedo para pensar numa mudança tão drástica no comando do COB.

Após a prisão de Nuzman, "Globo.com" e Sportv foram atrás dos 29 presidentes de confederações. Apenas dois (badminton e tiro esportivo) falaram. Ambos defenderam o dirigente e lamentaram o dano à imagem do esporte que o caso acarreta.

Curiosamente, o pronunciamento mais duro foi feito pela comissão de atletas ligada ao COB, que apoiou as investigações feitas pela PF: "Não devemos fechar os olhos para o ilícito e é nosso dever como qualquer cidadão brasileiro, proteger e preservar o bom funcionamento do país", disse a comissão em nota.

Desde que o Rio foi eleito sede olímpica, em 2009, o COB já perdeu um pouco do poder que tinha sobre as confederações filiadas. Até a escolha, a entidade mantinha a concentração financeira do esporte nacional. Com a grande maioria dos patrocinadores com origem de empresas estatais, o COB mantinha influência sobre a distribuição de aportes pelas confederações, além do critério para dividir a verba das loterias, via Lei Piva.

A realização do Rio 2016, porém, permitiu a algumas confederações passar por um processo de profissionalização. Foi o caso, por exemplo, da Confederação Brasileira de Judô (de Paulo Wanderley) e da Confederação Brasileira de Rugby, que têm se cercado de diversas marcas do setor privado, com menor dependência de questões políticas que envolvem o esporte.

Os próximos dias podem ser decisivos para, à força da lei, o poder no esporte brasileiro começar a mudar de mãos.


Notícia Nuzman COB COI

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
2Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
3Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
4Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
5Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
6Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
7Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
8Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10LaLiga inova e anuncia patrocínio à equipe Renault na F1