Hamilton e Vettel festejam no pódio do GP da Austrália

A Liberty Media, nova gestora da Fórmula 1, quer amplificar a importância dos Estados Unidos e crescer nos meios digitais, para atrair os fãs mais jovens. Atualmente, o país é sede da 17ª etapa do Mundial de F-1.

Para os próximos anos, é possível que haja duas corridas em circuitos norte-americanos, em uma tentativa de concorrer de forma mais efetiva com a Nascar, hoje a mais popular categoria do automobilismo nos Estados Unidos.

“Temos interesse em expandir o número de circuitos nesta região, com Austin como líder e principal ponto de referência”, afirmou Sean Bratches, diretor de operações comerciais da F-1, em entrevista à agência Associated Press.

“Estamos entusiasmados com todos os mercados do mundo, mas os Estados Unidos vão ser um foco importante”, acrescentou o executivo.

Duas cidades aparecem como favoritas para abrigar outra etapa da F-1 no país. O mítico circuito de Indianápolis, que foi sede da etapa norte-americana de 2000 a 2007, e New Jersey, que negocia uma etapa em um circuito de rua.

A entrada de uma nova etapa nos Estados Unidos não implica na saída de alguma corrida que hoje consta no calendário. “Não há escassez de interesse em levar a F-1 a circuitos, tanto de pista como de rua, em todo o mundo”, afirmou Bratches.

Nesta temporada, a categoria terá 20 etapas, uma a menos do que no ano passado. Depois de passar pela Austrália, no último fim de semana, o Mundial terá corridas em China, Bahrein, Rússia, Espanha, Mônaco, Canadá, Azerbaijão, Áustria, Reino Unido, Hungria, Bélgica, Itália, Malásia, Cingapura, Japão, Estados Unidos, México, Brasil e Emirados Árabes, nessa ordem.

Paralelamente a isso, a direção da F-1 quer explorar mais suas páginas oficiais nos meios digitais e aumentar sua audiência na web, com aplicativos e redes sociais.

Para ganhar mais seguidores nas redes sociais, a direção da categoria anunciou que irá relaxar as restrições de compartilhamento de vídeos em plataformas como Periscope. Sob a direção de Bernie Ecclestone, a F-1 impôs um controle rigoroso sobre os conteúdos gravados dentro do paddock com o objetivo de proteger os direitos de transmissão. Agora, a Liberty Media aposta na permissão de que as equipes compartilhem esses vídeos através de seus canais oficiais.


Notícia Liberty Media Fórmula 1 Gestão Redes Sociais

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
2Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
3Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
4Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
5Entre abertas e pagas, Brasil Open fecha com quatro emissoras
6Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
7Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
8Desodorante Axe, da Unilever, fecha com rivais Boca Juniors e River Plate
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1