Tradicional loja da Nike no US Open não foi montada em 2017 (Foto: Divulgação)

Quem for ao complexo de Flushing Meadows para acompanhar a disputa do US Open 2017 vai notar uma mudança significativa logo na entrada: a loja da Nike, que tradicionalmente ficava ali e sempre foi garantia de sucesso para a marca norte-americana, não está lá este ano. E isso faz parte de uma nova estratégia da empresa.

Alguns meios de comunicação, instigados por uma parte do público acostumada a visitar a loja, chegou a investigar o assunto na tentativa de achar uma explicação. A ausência da loja chegou a ser comparada com a ausência de jogadores como Novak Djokovic, Andy Murray, Stanislas Wawrinka e Serena Williams.

A explicação por parte da organização é simples: a Nike não é patrocinadora oficial do US Open. Consequentemente, a marca sempre teve que alugar um espaço para montar sua loja. E este ano não alugou, por decisão exclusiva da própria empresa.

O motivo da ausência da Nike, no entanto, é estratégico. A marca norte-americana decidiu seguir o caminho aberto pela principal concorrente, a Adidas, que optou por abandonar a propaganda de televisão e também algumas lojas físicas para se concentrar no ambiente digital há alguns meses.

A Nike ainda não largou o meio televisivo, mas a tendência é que isso aconteça em breve. E apesar de saber que sua loja sempre fez sucesso na entrada do US Open, a marca acredita que, por meio de uma estratégia bem elaborada de ativações em redes sociais, os resultados podem ser muito mais amplos.

A nova estratégia já dá claros sinais de estar em andamento no Chile, por exemplo. Nos últimos dias, a Nike fechou todos os seus escritórios no país. As operações em solo chileno agora ficarão sob gestão dos escritórios na Argentina. De acordo com o jornal Diario Financiero, o tímido crescimento nas vendas e a chegada de concorrentes no mercado chileno foram os motivos do fechamento.

Pelo menos 12 funcionários foram demitidos. A decisão corrobora um anúncio feito pela marca no último mês de junho, quando afirmou que cerca de 1.400 funcionários do mundo todo (2% do total) seriam demitidos nos meses seguintes.

A ideia é ter uma estrutura corporativa estrategicamente pensada para se concentrar em 12 cidades, entre elas Nova York, Londres e Tóquio, e focar os próximos investimentos no ambiente digital. No Chile, por exemplo, a Nike pretende aumentar para cerca de 537 milhões de dólares as vendas no país em 2020. O número seria 13% maior do que o atual, que ainda contempla os escritórios que foram fechados.

O último ano fiscal terminado em maio mostrou um faturamento de quase 34,5 bilhões de dólares da marca norte-americana, um aumento de 6,1% em relação ao ano anterior. O lucro aumentou 12,8%, para 4,2 bilhões de dólares.


Notícia Nike Chile Us Open escritório estratégia

Número do dia

10 milhões

de reais espera faturar o São Paulo com o aluguel do estádio do Morumbi para shows musicais no segundo semestre deste ano.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Adidas supera Jordan e persegue Nike em vendas de tênis nos EUA
2Relatório: Quase metade das franquias da NBA perde dinheiro
3Neymar vende 4 mil camisas por dia desde que chegou ao PSG
4COB apresenta Peak, que premiará atletas com medalhas
5Análise: PSG não conseguirá mensurar sucesso de Neymar
6Máquina promove "Café com Medalha" na Bahia
7Trio Alimentos fecha com principal prova de ciclismo da América Latina em SP
8Nike lança novas camisas da NBA e inova com aplicativo conectado
9Ministério do Esporte terá corte de 87% do orçamento, diz blog
10Fluminense celebra números em série de ações nas redes