Foto: Reprodução / Twitter (@PSG_inside)

Quando Neymar foi anunciado como novo reforço do Paris Saint-Germain pela bagatela de 222 milhões de euros, maior transação da história do esporte mundial, muita gente achou que um investimento tão grande não valeria a pena ao time francês. Só que os números do retorno financeiro não param de crescer.

O entusiasmo dos torcedores do PSG com o atacante brasileiro é evidente. E também não parecem se importar muito com a possível briga do brasileiro com o uruguaio Cavani. Em pouco mais de um mês após a estreia, em 13 de agosto, na vitória sobre o Guingamp fora de casa por 3 a 0, com direito a gol e assistência de Neymar, as vendas da camisa 10 do brasileiro não param de aumentar.

Em média, são comercializadas 4 mil camisas do craque por dia. Ou seja, em um mês, ele foi responsável pela venda de 120 mil camisas. E esteve em campo em apenas seis jogos. Os números foram divulgados pela rede francesa de rádio e televisão BFM Sport.

Vale lembrar que, assim que o anúncio de Neymar foi feito pelo PSG e as camisas chegaram às lojas, os torcedores fizeram fila e compraram 10 mil camisas com o nome do brasileiro às costas, cerca de metade do uniforme número 1 e a outra metade do uniforme reserva.

A chegada de Neymar, somada à contratação da revelação francesa Kylian Mbappé, fez com que o clube francês aumentasse em 75% o número de vendas de camisas em relação ao ano passado. Para se ter uma ideia, entre 2011 e 2016, ou seja, em seis anos, o PSG vendeu 526 mil unidades. Se a média atual for mantida, o clube baterá esse número logo no início do ano que vem, cerca de apenas seis meses após o anúncio do novo camisa 10.

No entanto, há um problema. A Nike, fornecedora de material esportivo do clube francês, não estava preparada para números de vendas tão astronômicos. Por isso, há quem diga que o PSG pode ficar sem camisas no estoque de suas lojas oficiais em breve. E o prazo estimado para uma próxima remessa é de longos dois meses.


Notícia Neymar PSG camisa Mbappé recorde clube francês

Número do dia

30 milhões

de dólares deve investir o governo argentino para capacitar o autódromo de Buenos Aires para poder receber uma prova da Fórmula 1.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
2Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
3Barcelona acredita em 1 bilhão de euros em receitas antes de 2021
4Novo contrato entre Ferrari e Philip Morris quer “um mundo livre do fumo”
5Argentina negocia para voltar a receber Fórmula 1 em 2019
6Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
7Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
8Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
9Patrocinadores diversificam ativações no Rio Open
10Adidas põe 3 listras em 6 das 10 camisas mais vendidas do futebol