A Le Coq Sportif chegou ao Brasil para brigar pelo mercado de lifestyle e artigos esportivos. Entre os maiores desafios, está rejuvenescer uma marca que os mais velhos conhecem bem, afinal vestiu a Argentina de Diego Maradona que foi campeã do mundo em 1986, mas que os jovens não têm certeza de onde vem. A SPR, empresa especializada em produção de vestuário e gestão de lojas para clubes de futebol, licenciou a marca francesa e comanda este retorno.

Em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte, a gerente da marca Le Coq Sportif no Brasil, Dô Salies, conta em detalhes quais são os planos para os cinco anos de contrato que a marca tem com a sede francesa para permanecer no Brasil. Fala, inclusive, sobre os planos da filial brasileira de investir em esporte após o segundo semestre deste ano.

Máquina do Esporte: Quando foi assinado o contrato e até quando vai?
Dô Salies: Esse contrato foi fechado há dois anos. Ele ia durar dez anos, mas a gente teve uma renegociação em dezembro do ano passado e ficou com cinco anos e a possibilidade de mais cinco.

Máquina do Esporte: Nesse meio tempo, o que já foi feito?
Dô Salies: A gente abriu a primeira loja no Shopping Morumbi em meados de abril. Para a abertura da loja e para mercado foi desenvolvida uma linha de roupa, calçado e acessórios, roupas com confecção, produção e criação nacionais. Calçado e acessório são internacionais. A gente compra na França, o que não necessariamente quer dizer que foram produzidos na França, e importa para o Brasil.

Máquina do Esporte: Quanto é importado e quanto é nacional? Existe uma meta para se produzir mais no Brasil?
Dô Salies: A confecção é 100% nacional e será 100% nacional, exceto o Tour de France. A coleção Tour de France a gente não tem autorização para fazer no Brasil. Quanto aos calçados, a gente pretende produzir nacionalmente, provavelmente para o ano que vem, ou importar da Argentina. E acessórios eu diria que 80% da coleção vão ser sempre importados, e 20%, nacionais.

Máquina do Esporte: A Le Coq pretende ser uma marca nacional?
Dô Salies: Nós vamos trabalhar o Brasil inteiro. A gente começou por São Paulo, vai atacar as grandes capitais, e depois as cidades menores – entenda-se por cidades menores Campinas, Ribeirão Preto... A gente vai tentar iniciar o trabalho pelo Sul. São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Depois a gente vai para o Nordeste por ser um mercado mais complexo de se trabalhar.

Máquina do Esporte: Por que começar pelo Sul?
Dô Salies: Como a marca está chegando hoje única e exclusivamente como lifestyle, eu dependo de uma distribuição um pouco mais direcionada. E nós da SPR conhecemos melhor o Sul do que o Norte do Brasil. Não que a gente não vá. Para as grandes capitais do Nordeste, a gente vai. Eu estou falando de fora das grandes capitais. A gente nem tem produto para tudo isso. Existe uma limitação de produto para quem a gente quer atingir hoje com o lifestyle. Isso muda um pouco de figura quando a gente entra com o produto de esporte. A gente começa no segundo semestre com uma linha pequena.

Máquina do Esporte: Como o brasileiro vê a Le Coq?
Dô Salies: O público mais velho, de 35 a 45 anos, lembra e sabe o que é a marca. Reconhece e lembra da época do Maradona, do Zico, dos anos 1980, que foi o grande auge da marca na América Latina. Mas não sabe muito bem o que aconteceu entre os anos 1980 para hoje. O público mais jovem, de 20 e poucos anos – que é o público que a gente quer atingir – não sabe o que é essa marca. A gente precisa contar para eles quem é essa marca. Eles reconhecem o logo, mas não identificam o logo com a marca Le Coq. Nosso grande desafio é explicar para esse público mais jovem o que é a marca e o que a gente vende. Claro que a gente vai atingir o público dos 20 aos 45 anos de idade. Mas cada vez mais a gente quer trazer esse novo público jovem, que até utiliza muito mais o produto do que o velho.

Máquina do Esporte: Como vocês pretendem ativar a marca no Brasil?
Dô Salies: O nosso grande meio de comunicação com o público são as redes sociais. Pelo Facebook serão criadas ações e intervenções pela marca. E, obviamente, estar presente nos lugares onde eles estão. No futuro, não sei exatamente quando, vamos estar em festivais de música, algumas casas noturnas, coisas que eventualmente a gente possa trabalhar. Além disso, estar no esporte, que é o que a gente vai fazer a partir do segundo semestre. Esse ano a gente já começa com uma ação para o Tour de France que acontece em junho.

Máquina do Esporte: Quanto pontos de venda vocês planejam ter?
Dô Salies: A gente abriu venda agora. Temos a loja no Shopping Morumbi desde abril. E agora é que a gente vai para o mercado. A nossa projeção para esse ano é fechar com pelo menos 60 pontos de venda que são multimarcas, de moda masculina e feminina.

Máquina do Esporte: O foco no lifestyle vem da França?
Dô Salies: A gente segue tudo o que a França faz. Eu não posso criar e desenvolver nada da minha cabeça aqui. Eu tenho que ter toda a aprovação, e toda a linha de raciocínio e o posicionamento vêm deles. A gente só tropicaliza isso para o Brasil.

Máquina do Esporte: Vocês pretendem focar no esporte?
Dô Salies: No segundo semestre a gente passa a ter uma pequena coleção. Mais ou menos 30% da nossa coleção hoje serão de produtos que podem ser utilizados para a prática de esporte. Entenda-se como tecidos de poliéster, lycra. Não que a gente vá ter alta tecnologia, mas que possa ser utilizado na prática de esportes. Isso começa no segundo semestre e deve se manter para sempre. Não que isso vá crescer. Mas cada vez mais a Le Coq vai entrar no esportivo. Tanto que lá fora eles já começaram a trabalhar no que eles chamaram de “Back to Sport”. A raíz da Le Coq, a essência da Le Coq, é esportiva, então você vai ter isso mais nos dias de hoje. Na França eles já fazem isso com a coleção do Tour de France. E aí, sim, a gente está falando de alta tecnologia.

Máquina do Esporte: Vocês pretendem investir no futebol em breve?
Dô Salies: Não. Hoje, não é esse o objetivo. Mas, sim, estar presente no esporte. Se a Le Coq Sportif Brasil vai patrocinar algum time de futebol, eu não tenho como te dizer isso hoje.

Máquina do Esporte: Em quanto tempo vocês esperam começar a obter lucro?
Dô Salies: Em pelo menos dois anos. Entre você assinar o contrato e realmente ter
algum retorno disso, é no mínimo dois anos.

Máquina do Esporte: Como está o mercado de lifestyle no Brasil?
Dô Salies: A gente acredita que tenha espaço. Por ser um marca “não americana”. A gente tem uma influência dos Estados Unidos muito forte no Brasil, e essa é uma marca que não está hoje nos Estados Unidos. Então não é um produto que o brasileiro viaja para lá e consegue achar. E essa é uma maneira de a gente ser um pouco diferente de todo o resto. E se você falar de lifestyle em si, cada vez mais é o dia a dia de todo mundo. O cara de terno e gravata não existe mais, a mulher toda formal também não tem mais, e a gente passou a ter uma classe em ascensão que inclui os jovens, os universitários, que passaram a ter poder de compra.

Máquina do Esporte: A marca Le Coq é mais glamourosa que as outras?
Dô Salies: Ela é uma marca francesa. E quando a gente fala de francês, por princípio a gente está falando de história, cultura, moda, estilo, acabamento de material, qualidade. E é esse DNA que a gente traz para qualquer coisa que for feita. Esse DNA francês e de qualidade vem obrigatoriamente em tudo o que a gente vai ter. Tem que ser um pouco diferente de todo mundo para usar Le Coq.


Entrevista Le Coq SPR ciclismo

Número do dia

R$ 510 mi

Foi a arrecadação do Flamengo em 2016; cerca de 60% desse valor foi com verba de televisão (R$ 297 milhões)

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Flamengo e NBS refutam indicação do Conar
2Em parceria com Guarulhos, Corinthians anuncia time masculino de vôlei
3Conar suspende campanha de sócios do Flamengo
4Athletic Bilbao troca Nike por New Balance
5Globo celebra números recordes do Cartola FC
6Com Djokovic, Lacoste volta a ter presença no tênis
7Análise: Ainda é preciso abrir a caixa preta do futebol
8Polícia prende dirigente na Espanha e investigação ameaça Ricardo Teixeira
9COI admite conceder sedes de 2024 e 2028 a Paris e Los Angeles
10Pepsi anuncia show do Black Eyed Peas na Liga dos Campeões