A Ambev, literalmente, vestiu a camisa do Brasil no período pré-Copa. A ponto de ir contra o próprio negócio no exterior para defender o time brasileiro.

No último final de semana, o Guaraná Antarctica, principal refrigerante da marca, lançou sua campanha para pegar carona no clima de Copa do Mundo. 

O mote da ação é embargar a exportação do refrigerante para os 18 países que estão na Copa e consomem o Guaraná. 

Foto: Reprodução

“Suspender a exportação do Guaraná é uma forma de mostrar o quanto nos orgulhamos de ser brasileiros e de estar 15 anos ao lado da seleção brasileira e dos torcedores. Vamos proteger a nossa “fórmula mágica da brasilidade” dos nossos adversários temporariamente. Esse é o jeito Guaraná de torcer, passar confiança e fortalecer ainda mais o elo entre o refrigerante mais brasileiro de todos, a seleção e os nossos torcedores”, disse em nota Jaqueline Barsi, gerente de marketing do Guaraná.

A estratégia é similar à que a British Airways fez em 2012, nos Jogos Olímpicos de Londres. Na ocasião, a patrocinadora do time britânico lançou uma campanha para incentivar as pessoas a não viajarem durante os Jogos para torcer pelos atletas.

No caso do Guaraná, a iniciativa reforça uma tendência já vista nas campanhas da Brahma. A marca de cerveja da Ambev, que também é patrocinadora da Copa do Mundo, "provocou" a Alemanha quando o Brasil venceu o amistoso de março passado, fazendo a campanha da "volta" do Número 1. Antes disso, no sorteio das chaves da Copa, a Brahma brincou com os países contra quem o Brasil vai jogar na primeira fase do Mundial: Suíça, Sérvia e Costa Rica.


Notícia Guaraná Antarctica Ambev embargo exportação Copa do Mundo Rússia 2018 Brahma British Airways ufanismo