O Figueirense apresentou, na terça-feira, quem irá tocar o futebol do clube a partir de agora. Foi o primeiro dia da gestão terceirizada do time, que passou a ser gerido por um fundo de investimento. Os nomes dos investidores foram mantidos em sigilo, mas o CEO do time será um nome já conhecido do esporte: Alex Bourgeois.

O executivo já ocupou o cargo de CEO de outro clube brasileiro, em experiência que não marcou um grande capítulo na história da gestão esportiva: Bourgeois foi demitido do São Paulo duas vezes em dois meses, graças à troca na diretoria do clube paulista, entre Carlos Miguel Aidar e Carlos Augusto de Barros e Silva.

Em entrevista realizada na terça-feira, Bourgeois deu um pouco mais de detalhes do acordo com o Figueirense. “Temos investidores de fora, mas, por questões legais, dinheiro que vem de fora, não podemos abrir. São grupos que vêm forte para transformar o Figueirense na potência que esperamos. Queremos colocar o capital que precisa entre R$ 10 e R$ 15 milhões neste ano. Depois tem mais dinheiro para de acordo com as situações”, afirmou.

Outra figura de grande time levado para a gestão do Figueirense é Fred Mourão, antigo gerente de marketing do Flamengo. O executivo era o braço de Luiz Eduardo Baptista, o Bap, dentro do clube, mas o dirigente se retirou da gestão após desentendimentos com o presidente Eduardo Bandeira de Mello.

O presidente do Figueirense, Wilfredo Brillinger, agora passa a ser responsável apenas pelo social do time catarinense. Ele declarou, na segunda-feira, que todos os departamentos relacionados ao futebol sofreriam alterações, o que inclui, por exemplo, o marketing da equipe.

O contrato fechado com grupo de investimento transforma o departamento de futebol do Figueirense em empresa pelos próximos 20 anos. O acordo cede todos os contratos, jogadores e estrutura pelo período, o que inclui o estádio Orlando Scarpelli e os atletas de base do time.

As condições impostas são, basicamente, esportivas, com cláusulas que obrigam a manutenção do time na Série A em 75% do tempo. Caso o time seja rebaixado à Série C do Campeonato Brasileiro, o acordo poderá ser rompido pela diretoria do Figueirense. Por outro lado, se o grupo quiser romper, terá que entregar o clube na mesma situação financeira da atual.


Notícia Figueirense Gestão

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
4 CBF confirma criação da Série D
5Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
6Unicred faz 1ª campanha publicitária com Cesar Cielo
7Mayweather cobrará 25 milhões de dólares por uso de espaço em suas roupas
8Tom Brady esconde logotipo da Nike e reativa batalha de marcas na NFL
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10Análise: Conhecer o cliente é a próxima tarefa dos clubes no Brasil