O Figueirense apresentou, na terça-feira, quem irá tocar o futebol do clube a partir de agora. Foi o primeiro dia da gestão terceirizada do time, que passou a ser gerido por um fundo de investimento. Os nomes dos investidores foram mantidos em sigilo, mas o CEO do time será um nome já conhecido do esporte: Alex Bourgeois.

O executivo já ocupou o cargo de CEO de outro clube brasileiro, em experiência que não marcou um grande capítulo na história da gestão esportiva: Bourgeois foi demitido do São Paulo duas vezes em dois meses, graças à troca na diretoria do clube paulista, entre Carlos Miguel Aidar e Carlos Augusto de Barros e Silva.

Em entrevista realizada na terça-feira, Bourgeois deu um pouco mais de detalhes do acordo com o Figueirense. “Temos investidores de fora, mas, por questões legais, dinheiro que vem de fora, não podemos abrir. São grupos que vêm forte para transformar o Figueirense na potência que esperamos. Queremos colocar o capital que precisa entre R$ 10 e R$ 15 milhões neste ano. Depois tem mais dinheiro para de acordo com as situações”, afirmou.

Outra figura de grande time levado para a gestão do Figueirense é Fred Mourão, antigo gerente de marketing do Flamengo. O executivo era o braço de Luiz Eduardo Baptista, o Bap, dentro do clube, mas o dirigente se retirou da gestão após desentendimentos com o presidente Eduardo Bandeira de Mello.

O presidente do Figueirense, Wilfredo Brillinger, agora passa a ser responsável apenas pelo social do time catarinense. Ele declarou, na segunda-feira, que todos os departamentos relacionados ao futebol sofreriam alterações, o que inclui, por exemplo, o marketing da equipe.

O contrato fechado com grupo de investimento transforma o departamento de futebol do Figueirense em empresa pelos próximos 20 anos. O acordo cede todos os contratos, jogadores e estrutura pelo período, o que inclui o estádio Orlando Scarpelli e os atletas de base do time.

As condições impostas são, basicamente, esportivas, com cláusulas que obrigam a manutenção do time na Série A em 75% do tempo. Caso o time seja rebaixado à Série C do Campeonato Brasileiro, o acordo poderá ser rompido pela diretoria do Figueirense. Por outro lado, se o grupo quiser romper, terá que entregar o clube na mesma situação financeira da atual.


Notícia Figueirense Gestão

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
2Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
3Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
4Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
5Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
6Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
7Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
8Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10LaLiga inova e anuncia patrocínio à equipe Renault na F1