Com a oficialização da Copa do Mundo com 48 seleções, feita nesta terça-feira pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, o futebol terá o Mundial mais inchado entre todos os esportes coletivos que fazem parte do programa olímpicos.

“Temos que adaptar a Copa do Mundo ao século 21. O futebol é mais do que Europa e América do Sul. Teremos um número maior de países que poderão sonhar [em disputar o Mundial]”, defendeu Infantino, durante entrevista coletiva realizada na terça-feira, em Zurique, na Suíça.

 

*Porcentagem entre o total de países filiados. No caso do vôlei, entre o total de países com seleções masculina e feminina

 

Com o acréscimo de 50% mais vagas a partir da Copa de 2026, o futebol passará a ser a entidade mais “democrática” entre todos os esportes coletivos que fazem parte do programa olímpico.

Infantino durante reunião de Comitê Executivo da Fifa

Nenhuma federação internacional facilitou tanto o acesso ao seu principal torneio masculino. Com 211 países filiados atualmente (mais do que os 193 Estados membros da ONU, por exemplo), a Fifa dá a oportunidade para que quase um quarto deles (22,75%) possa disputar a Copa do Mundo de 2026.

É um número extraordinário se comparado com outras modalidades. Quem menos dá acesso aos seu Mundial é o handebol.

Apenas 11,76% das federações nacionais irão disputar o Mundial masculino da Alemanha, que começa nesta quarta-feira (dia 11). Dos 204 filiados, apenas 24 terão acesso ao torneio. O feminino, cujo Mundial será neste ano na Alemanha, segue o mesmo modelo.

Outra modalidade que restringe bastante sua elite é o hóquei sobre grama. Apenas 12,8% das federações nacionais terão a chance de jogar o próximo Mundial, marcado para o ano que vem na Índia (masculino) e Inglaterra (feminino).

 

LEIA MAIS - Análise: Mudança na Copa do Mundo é um tiro no pé

Análise: Nova Copa do Mundo abre janela do futebol para o mundo

 

A única competição desse nível a abrir mais vagas para seus filiados é o Mundial de softbol. Em seu último evento, no Canadá, no ano passado, o torneio contou com 31 países entre 127 filiados à federação internacional. Ou seja, 24,4% tiveram a chance de jogar, incluindo o Brasil, que participou pela primeira vez.

Gianni Infantino, durante entrevista coletiva

O torneio em que a vaga é mais cobiçada é o Mundial feminino de basquete. Apenas 7,47% das federações filiadas à Fiba jogarão o torneio na Espanha, em 2018.

A estratégia de limitar as vagas também é seguida em Mundiais masculinos de modalidades populares, como beisebol (12,9% dos países), vôlei (17,15%) e basquete (14,95%). Entre os homens, o único que segue o exemplo do futebol é o rúgbi 7, que terá 20% dos países filiados em ação nos EUA, em 2018.

Com o novo formato, a Fifa espera faturar até US$ 975 milhões a mais do que foi obtido no Brasil, em 2014. A arrecadação com patrocinadores atingiria US$ 1,89 bilhão. Com mais partidas, a venda de ingressos geraria uma receita de US$ 520 milhões, enquanto a comercialização de camarotes chegaria a US$ 155 milhões.

Os 48 países classificados serão divididos em 16 grupos de três equipes. Os dois melhores de cada chave se classificam para a fase seguinte, que será disputada em mata-matas até a decisão.

Com esse formato, a Fifa preserva o número de jogos que o campeão precisará fazer para chegar ao título (7) e a duração da Copa do Mundo (32 dias). A ideia é também manter o número de 12 sedes, que foi seguido no Mundial do Brasil, em 2014. Por outro lado, o Mundial com 48 times irá inchar o calendário, com 80 jogos, no lugar dos 64 atuais. 


Notícia Fifa Copa do Mundo Gestão Formato

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
4Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
5Mesmo com estatuto, São Paulo tem novo escândalo
6Neymar coloca Ligue 1 no topo da audiência da TV fechada
7 CBF confirma criação da Série D
8Dono do Manchester City negocia compra time na Espanha
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década