Flamengo e Fluminense já começaram a sentir as consequências por participarem da Primeira Liga, vetada oficialmente pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj). De acordo com o blog da jornalista Gabriela Moreira, da ESPN Brasil, a entidade carioca irá repassar os R$ 11 milhões que seriam da dupla Fla-Flu referentes às cotas de TV do Estadual.

É o que foi decidido em arbitral na sede da federação para clubes que decidirem jogar partidas não oficiais em 2016. A Ferj, no fim da semana passada, tinha liberado os clubes para jogar a Liga Sul-Minas-Rio em duas datas. Os demais jogos são considerados não oficiais.

"O valor será dividido entre os clubes respeitando o percentual de divisão atual", respondeu a federação sobre o dinheiro que já foi pago pela Rede Globo. A primeira parcela já foi depositada aos clubes, incluindo Flamengo e Fluminense.

Por essa lógica, os maiores beneficiados serão Botafogo e Vasco, que não fazem parte da Primeira Liga. A Ferj é a única federação estadual a não apoiar a realização do torneio, que terá início nesta quarta-feira (27).

Esta é a primeira sanção divulgada aos participantes da Sul-Minas-Rio. A CBF também havia prometido punir a "rebeldia" dos clubes, mas até agora não revelou o que será feito com o prosseguimento do projeto. Em nota divulgada ontem, a confederação proibiu oficialmente a realização da competição. Em resposta, a Primeira Liga assegurou legimitidade e disse que não irá recuar às vésperas do campeonato.


Notícia Primeira Liga Gestão CBF Ferj Liga Sul-Minas-Rio