Uma decisão de Taça Guanabara longe fora do Rio de Janeiro. Precisamente, no Espírito Santo, no estádio Kléber Andrade, em Cariacica. Essa foi a solução encontrada pela federação de futebol do Estado, anunciada na última terça-feira (13). A medida foi adotada após uma série de desencontros da entidade com os clubes e com os estádios da capital fluminense.

O problema começou com a decisão do Maracanã em não ter os jogos do Campeonato Carioca para priorizar eventos musicais. Com baixo público nos jogos do Estadual, a administração da arena resolveu praticamente ignorar o torneio, o que deixou os grandes eventos da federação de futebol sem seu mais tradicional palco.

A crise aumentou após o clássico entre Flamengo e Botafogo realizado no meio do carnaval, em Volta Redonda. O jogo teve um público pífio de 5,4 mil pagantes e ainda azedou a relação entre os dois rivais depois da provocação de um atleta flamenguista. Como resultado, os alvinegros lançaram um comunicado para confirmar que não iriam ceder o estádio Nilton Santos, o Engenhão, para a decisão da Taça Guanabara.

O Espírito Santo não será o primeiro Estado a receber o Campeonato Carioca neste ano. O Nova Iguaçu resolveu arrecadar mais na partida contra o Flamengo e, para isso, levou a partida para o Mané Garrincha, em Brasília. Teve 16 mil pessoas, com uma renda que ficou próxima dos R$ 700 mil.

Curiosamente, foi longe do Rio de Janeiro a única vez em que o Flamengo esteve em campo neste ano, pelo Campeonato Carioca, em que o borderô do jogo registrou superávit. Em casa, mesmo na arena Luso-Brasileiro, o time de maior torcida do Estado não conseguiu empolgar o público.

Hoje, sem considerar os jogos que aconteceram no meio do carnaval, a média de público do Campeonato Carioca é de apenas 2 mil pessoas. Em comparação, o Campeonato Paulista está com média de 8 mil pessoas. Com 12 mil pessoas, Mirassol e Palmeiras, no interior de São Paulo, na última semana, teve mais espectadores que o clássico entre Flamengo e Botafogo.

As dificuldades do Campeonato Carioca acontecem no ano em que a Ferj tenta inflar e recuperar o torneio com novos patrocinadores, uma apresentação oficial e até a presença de Pelé como embaixador da tradicional disputa. Por ora, o torneio só tem conseguido atrair torcedores fora do Rio de Janeiro, o que deverá se repetir na final da Taça Guanabara. Flamengo e Boavista jogarão no próximo domingo (18).


Notícia Flamengo Ferj Campeonato Carioca Gestão