Foto: Divulgação/Facebook

Mark Zuckerberg decidiu entrar na briga e quer ultrapassar YouTube e Netflix em streamings. Para isso, lançou o “Watch”, plataforma de vídeo que terá programação exclusiva, incluindo jogos de futebol, basquete e beisebol, além de programas esportivos, de culinária, documentários e reality shows.

No começo, a plataforma estará disponível apenas para um grupo limitado nos EUA por meio do aplicativo da rede social, no site e em aplicativos de televisão. O Facebook já assinou, inclusive, contratos com algumas fontes de conteúdo, como BuzzFeed, ATTN, Vox Media e Group Nine Media. 

Em 2017, a rede social de Mark Zuckerberg tem mostrado a intenção de querer se tornar criador de conteúdos originais, e não apenas reproduzir conteúdos feitos pelos usuários, o que comprova ainda mais a tendência dos gigantes globais de mídias digitais de entrarem nesse mercado.

Em março deste ano, o YouTube começou nos Estados Unidos a operação do seu YouTube TV, que cobra uma assinatura mensal e dá a opção de assistir a 40 canais, entre eles a ESPN e a Fox Sports. O serviço ainda é restrito ao território norte-americano.

Em abril, a valorização da transmissão por streaming do esporte ficou ainda mais clara. A NFL, liga de futebol americano, trocou o Twitter pela Amazon nas transmissões do tipo. Para ter o direito de exibir dez rodadas das partidas de quinta-feira à noite, a Amazon pagará US$ 50 milhões à NFL, cinco vezes mais do que o Twitter desembolsou ano passado pelos direitos, segundo a agência Bloomberg.

As partidas de quinta à noite, que também são exibidas pelas redes abertas CBS e NBC, estarão disponíveis ao público por uma assinatura de US$ 99 (plano anual) ou US$ 10,99 (plano mensal). Esta foi a primeira operação desse tipo de streaming no setor esportivo.

No Brasil, Atlético-PR e Coritiba decidiram levar o clássico à internet por três vezes (uma na primeira fase e os dois jogos finais) porque os times não chegaram a um acordo com a Globo pelo valor de transmissão das partidas durante o campeonato estadual. Sem uma emissora definida, os rivais se uniram para exibir a partida gratuitamente e de forma exclusiva pelos próprios canais dos clubes no Facebook e no YouTube.

Segundo levantamento do Ibope/Repucom sobre o desempenho dos times de futebol do Brasil nas redes sociais, ambos tiveram crescimento superior a 100% no número de inscritos em suas páginas oficiais. Na partida decisiva, com a soma das contas de ambas as equipes no Facebook e no Youtube, foram 1,5 milhão de visualizações.

Outro exemplo foi a decisão tomada pela CBF em junho deste ano de transmitir dois amistosos da seleção brasileira, contra Argentina e Austrália, pela internet. A entidade fechou com o UOL para exibir a partida. A Vivo fez a transmissão para telefones celulares, e as TVs Brasil e Cultura passaram o jogo na TV aberta em espaço comprado pela CBF. Para completar, a própria confederação transmitiu a partida em sua página no Facebook.


Notícia Facebook Twitter Netflix YouTube streaming Watch

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
4 CBF confirma criação da Série D
5Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
6Unicred faz 1ª campanha publicitária com Cesar Cielo
7Mayweather cobrará 25 milhões de dólares por uso de espaço em suas roupas
8Tom Brady esconde logotipo da Nike e reativa batalha de marcas na NFL
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10Análise: Conhecer o cliente é a próxima tarefa dos clubes no Brasil