Diversas entidades esportivas se uniram num protesto contra Medida Provisória assinada pelo presidente Michel Temer na última segunda-feira (11). A MP cria um sistema único de segurança no país, mas para isso tira cerca de R$ 300 milhões das loterias que eram do Ministério do Esporte.

Foto: Reprodução

A medida assinada por Temer vai retirar uma fatia que seria destinada mais especificamente a ONG’s, Comitê Brasileiro de Clubes (CBC), Fenaclubes e até ao esporte militar. Entidades como a Confederação Brasileira de Desporto Escolar (CBDE) e a Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU) também serão afetadas com a MP.

Dessa forma, as principais entidades esportivas do país, como o Comitê Olímpico do Brasil (COB), o Comitê Paralímpico do Brasil (CPB) e a ONG Atletas Pelo Brasil tornaram-se signatárias de uma nota de repúdio à medida, considerada um risco à segurança ao frear o apoio ao esporte.

“Quando você acredita que nada mais pode piorar no esporte, eis que aprovam uma medida destas. Claro que ninguém é contra o investimento na segurança pública, mas não consultaram os setores do esporte envolvidos. Trata-se de um enorme equívoco”, afirmou Lars Grael, duas vezes medalhista olímpico de bronze e atualmente superintendente de relações institucionais do CBC, em entrevista à Folha de S.Paulo.

Nesta quarta-feira (13), representantes de vários setores do esporte brasileiro foram a Brasília, onde houve uma audiência pública na Comissão de Esportes. O objetivo foi pressionar a classe política, em especial os deputados federais, para que a MP caia por terra e não seja aprovada.


Notícia Ministério do Esporte Medida Provisória Michel Temer dinheiro gestão esporte política