Foto: Reprodução / Twitter (@rfef)

Se o Brasil teve o escândalo da prisão de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), nesta última quinta-feira (5), a Espanha não fica atrás. Ángel María Villar, presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) desde 1988 e que foi preso e suspenso do cargo em julho deste ano, é acusado de corrupção e irregularidades que envolvem milhões de euros e está seguindo o mesmo caminho.

Provas e documentos recolhidos pelo Ministério Público e a Guarda Civil Espanhola na chamada Operação Soule complicam cada vez mais a situação de Villar. A novidade divulgada pelo jornal espanhol ABC é que o mandatário distribuía relógios de luxo a jogadores e dirigentes toda vez que a seleção do país alcançava algum tipo de sucesso. 

De acordo com as investigações, a ação é praticada há bastante tempo, mas foi impulsionada nos últimos dez anos, com as maiores conquistas da história da “Fúria”, as Eurocopas de 2008 e 2012 e a Copa do Mundo de 2010.

O problema é que Villar começou a deixar de dar relógios para jogadores para priorizar dirigentes e, muitas vezes, a si mesmo. Segundo o jornal ABC, um dos grandes exemplos ocorreu quando a seleção espanhola garantiu vaga na Copa do Mundo do Brasil em 2014.

Assim que a “Fúria” carimbou o passaporte, a Federação comprou 35 relógios IWC Schaffhausen, um modelo português fabricado em ouro rose e avaliado em 28 mil dólares. O técnico Vicente Del Bosque havia convocado 36 jogadores durante a campanha nas Eliminatórias, mas apenas 28 receberam os relógios. Os outros oito foram dados a colaboradores de Villar.

Dessa forma, oito jogadores foram escolhidos para não receber os relógios. Foram eles: De Gea, Azpilicueta, Nacho, Michu, Beñat, Javi García, Javi Martínez e Soldado. Na ocasião, a Federação pagou 17 mil dólares por cada relógio porque os outros 11 mil dólares de cada peça foram pagos por um acordo de patrocínio com a relojoaria e joalheria Chocrón.

Outro exemplo ocorreu quando a “Fúria” foi campeã europeia em 2012. O próprio Villar ficou com um dos 30 relógios avaliados em 18 mil dólares adquiridos pela Federação. Mais uma vez, oito jogadores ficaram sem receber a peça para que cartolas tivessem o benefício.

Ainda segundo o jornal ABC, os jogadores que eram considerados os capitães da equipe, como Casillas, Sérgio Ramos, Xavi e Iniesta eram obrigados a escolher os atletas que ficariam sem os relógios. A escolha acabava sendo feita por tempo em campo e anúncios de patrocinadores em que alguns estavam presentes e outros não.

Além de presidente da Federação Espanhola de Futebol por 29 anos, Ángel María Villar já foi vice-presidente da Uefa, presidente em exercício da entidade em 2016 e vice-presidente da Fifa.

Em julho deste ano, ele foi preso ao lado do filho, Gorka Villar, ex-diretor da Conmebol, ambos acusados de corrrupção, irregularidades econômicas e graves deficiências no controle de gestão de subsídios que envolviam mais de 20 milhões de euros credenciados pelo Tribunal de Contas da Espanha. Após a prisão, Villar foi suspenso da presidência da Federação Espanhola e acabou renunciando aos cargos na Uefa e na Fifa.


Notícia Ángel María Villar Espanha futebol relógios prisão escândalo

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
2Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
3Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
4Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
5Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
6Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
7Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
8Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10LaLiga inova e anuncia patrocínio à equipe Renault na F1