A Copa do Mundo de 2014 para a Asics, uma marca que não investe em futebol, tem nome: Rio Open. O torneio de tênis tomou o status de principal do Brasil que pertencia ao Brasil Open e vai de 15 a 23 de fevereiro no Jockey Club Brasileiro, no Rio de Janeiro. A fabricante de materiais esportivos é patrocinadora da primeira edição da competição e aposta nela para tornar o tênis um esporte mais popular no país.

Giovani Decker, executivo brasileiro que comanda a Asics Brasil desde novembro de 2012, explica à Máquina do Esporte por que confia no tênis para gerar valor à marca da empresa que, até hoje, focou seus recursos em running. "Claro que o running é o carro-chefe, mas faz parte do plano mundial da marca de ser conhecida por outros esportes", diz Decker, primeiro brasileiro em 30 anos a ocupar a presidência da filial brasileira, antes restrita a executivos japoneses.

No Rio Open, a Asics terá uma loja exclusiva de 120 metros quadrados no local das partidas, irá fornecer material esportivo para os estafes de mais de 400 pessoas, terá a primeira campanha de TV no Brasil, no ar desde janeiro deste ano, e fará a seleção de jovens tenistas para participar da clínica do torneio. Essas são as ações de ativação do patrocínio ao torneio. Três tenistas brasileiros - Bruno Soares, João Souza (Feijão) e Teliana Pereira - são os embaixadores da marca.

Máquina do Esporte: Qual a expectativa para o Rio Open, o torneio que ganha o status de principal do país nesta primeira edição?

Giovani Decker: Estamos esperando um evento bastante grande, um dos 20 maiores do mundo, porque faz parte do ATP 500. Vai ser o principal evento da história na América do Sul, então esperamos um grande sucesso, esperamos sold out [quando os ingressos esgotam].

ME: Vocês projetam um futuro mais positivo para o tênis no Brasil?

GD: Em matéria de eventos, com certeza. A questão é que a Copa do Mundo e a Olimpíada botaram o Brasil no mapa das principais competições. Eles geraram mais eventos em diversos outros esportes. No tênis não foi diferente, e agora estão surgindo todos esses torneios. O que se espera é que eles catapultem o crescimento deste esporte. Primeiro com um torneio, e aí cresce o interesse. Depois tem mais gente jogando, com mais gente podem aparecer novos ídolos, e este é um ciclo que se realimenta, o que é positivo para o esporte. Por isso esperamos que o tênis tenha um crescimento em médio prazo.

ME: Por que a Asics, uma marca tradicionalmente ligada a running, investe em tênis no Brasil?

GD: Somos uma marca de corrida, mas queríamos patrocinar, investir em outros esportes. Começamos - não só no Brasil, mas no mundo - a investir em tênis, vôlei, handebol. Claro que o running é o carro-chefe, mas faz parte do plano mundial da marca de ser conhecida por outros esportes. O tênis é ideal, porque já tínhamos uma coleção muito boa, produtos muito bons para o tênis, e isso facilitou a entrada.

ME: Há sinergias entre o tênis e o running?

GD: O tênis tem um cross legal com o pessoal que pratica running. Não são esportes excludentes. Quem joga tênis, corre. Quem corre, de uma maneira geral conhece e admira o tênis.

ME: A Asics fez um filme para TV desta vez, com o Rio Open. Por quê?

GD: Vimos como uma oportunidade. Casou com um filme que foi feito lá fora com embaixadores, e achamos que era o momento de fazer algo na TV fora do running, para mostrar para uma base maior de consumidores a nossa marca.

ME: E o que a TV tem a oferecer?

GD: A TV tem um público mais abrangente. De maneira geral, queremos mais classes sociais, mais esportes, ficarmos mais conhecidos.

ME: No Rio Open, a Asics vai ter uma loja gigante. Qual a finalidade dela? Vender produtos, apenas, ou também ajudar na construção da marca de vocês entre os tenistas?

GD: Em geral, queremos mostrar nossos produtos. Tem muita gente que ainda não sabe que estamos no tênis, então ela vai ter a oportunidade de ter esse contato. O pessoal também quer um souvenir de qualidade em um evento como esses para usar no dia a dia. Um produto de qualidade para lembrar do evento. Por parte da nossa marca, esses são os benefícios.

ME: Investir em tênis hoje em dia dá retorno?

GD: Algumas coisas não se pagam no curto prazo, mas se pagam no longo. Prefiro responder de uma outra forma. O patrocínio ao tênis ajuda na awareness [lembrança de marca], na percepção do consumidor final, na percepção de valor agregado, de produtos diferenciados. A questão se o tênis se paga ou não eu prefiro responder assim, porque é um negócio que se paga no longo prazo.

ME: Qual será o efeito da Copa de futebol neste evento? Vocês acreditam que o tênis possa ter perdido espaço para o futebol?

GD: De maneira nenhuma. A Copa chama a atenção para esportes em geral. Obviamente que é o grande evento do ano, mas ele faz, de uma maneira geral, as pessoas prestarem mais atenção nos esportes, na relação deles com saúde. Não é excludente.

ME: Qual a meta de crescimento da Asics para este ano?

GD: Queremos aumentar nossa receita em 30%.

ME: Vocês têm um time de embaixadores - Bruno Soares, Feijão, entre outros. Qual o papel deles para o marketing da Asics?

GD: É um combinado de coisas. Eles nos aproximam do consumidor final, ajudam com feedback sobre produtos, são embaixadores para nos mostrar ao nosso público. É uma soma.


Entrevista

Número do dia

R$ 510 mi

Foi a arrecadação do Flamengo em 2016; cerca de 60% desse valor foi com verba de televisão (R$ 297 milhões)

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Asics apresenta no Rio novos uniformes da seleção de vôlei
2Sem Libertadores, Flamengo bate recorde na Copa do Brasil
3Arena Corinthians terá feirão de carros em fins de semana
4Análise: O São Paulo é mesmo time de modinha?
5Robinho encerra imbróglio com Nike e fecha contrato com Adidas
6Análise: Estádio novo já é diferencial no mercado brasileiro
7Grupo Globo tem novo diretor para negociações no esporte
8 Tênis da Nike é criticado por ativistas
9Adidas lança bola de ‘despedida’ da Bundesliga
10Por entrega, piloto da Stock Car vira empreendedor