No ano passado, uma velha história se repetiu no cenário do esporte nacional. Um time brasileiro, após a conquista de um feito, recebeu atenção da mídia e aproveitou o microfone para reclamar das péssimas condições da modalidade no país.

No caso, o time em questão era a seleção brasileira de rúgbi. E o feito, que foi uma vitória sobre o Paraguai após um longo jejum, despertou num empresário o desejo de tentar mudar um pouco a cara do esporte no país.

?Sou um ex-jogador de rúgbi e, como brasileiro, nunca me conformei com a condição que o esporte tinha no Brasil?, afirma Eduardo Mufarej sócio-diretor da empresa Tarpon Investimentos, especializada em investimentos em empresas de capital aberto.

Mufarej decidiu dar um dinheiro para ajudar a seleção brasileira. Uma doação de R$ 500 despertou uma onda de agradecimento entre os atletas, o que assustou o executivo. A partir daí, ele decidiu buscar um caminho para financiar as seleções brasileiras de rúgbi. O plano é ambicioso. Levar o Brasil à Copa do Mundo de 2015.

Para isso, porém, foi montado um fundo de captação de dinheiro. O grupo foi chamado de Grab (Grupo de Apoio ao Rúgbi Brasileiro). Mufarej encabeça o movimento, que até agora já arrecadou R$ 60 mil em um único jantar beneficente com executivos.

O dinheiro já foi usado para financiar viagens de times nacionais e, agora, o Grab prepara um plano para começar a gerar receita para todas as seleções brasileiras de rúgbi.

O projeto, segundo ele, é perfeitamente executável em outras modalidades. Mas o foco, nesse primeiro momento, é com o rúgbi.

Leia a seguir a entrevista com o executivo:

Máquina do Esporte: Como surgiu o projeto de criação do Grab?

Eduardo Mufarej: Essa história tem um componente ideológico, que é bom e também é ruim, porque envolve um pouco de paixão e apego em tudo isso. Essa história começou no final do ano passado, quando o Brasil ganhou do Paraguai. Os jogadores falaram das dificuldades que encontraram para chegarem até lá. Quando acabou o jogo, decidi fazer uma contribuição de R$ 500 para a seleção e recebi contato de quase todo o time. Aí comecei a pensar como sair um pouco de palavras e partir para a ação. Como andar pelas próprias pernas e se desenvolver um projeto para o rúgbi.

ME: E quando começou exatamente essa ida para o campo das ações?

EM: Eu decidi fazer um jantar beneficente aqui em casa para convencer as pessoas a ajudarem. E a partir daí começou a ter uma adesão muito grande das pessoas, que discutiam uma forma para você se envolver em áreas onde a entidade que rege o esporte não consegue atuar. Essa parte é a de planejamento financeiro e execução de projeto. Dessa idéia do jantar surgiu o GRAB, que tem como objetivo promover o desenvolvimento sustentável das seleções brasileiras em todas as modalidades.

ME: E de que forma arrecadar dinheiro para o rúgbi hoje?

EM: Nós fizemos o jantar e recebemos R$ 60 mil de doações. Isso representa metade do orçamento da confederação para um ano. O dinheiro serviu para que o planejamento de ações possa ser executado.

ME: Como é feito o gerenciamento desse dinheiro? Quem decide o uso dele?

EM: Para nós, o caixa permanecer com a gente é pré-requisito. A gente precisa ter o produto seleção brasileira para tentar comercializar e fazer a conta-gotas a liberação desses recursos. Tudo o que passa pela contratação de fornecimento para as seleções passa por nós. Já custeamos mais ou menos R$ 40 mil desde o início e agora, terminado o planejamento das seleções, é hora de ir atrás de dinheiro e tornar esse plano de desenvolvimento da seleção brasileira de rúgbi algo exequível.

ME: Como convencer o mercado a investir no rúgbi, um esporte que é marcado pela brutalidade na maioria das vezes?

EM: O rúgbi é um esporte de equipe, de companheirismo. Vamos tentar associar esses princípios aos valores das empresas. O Brasil, no contexto mundial, é um time mediano. Para subir duas posições no ranking, porém, é uma condição abismal. Não é um esporte de sorte. Mas, no rúgbi seven, onde o efeito surpresa é maior, o Brasil tem potencialidade enorme, e ele é o que deve crescer mais, com a perspectiva de virar esporte olímpico a partir de 2012. Esse é o nosso foco, até para atrair mais atenção da mídia.

ME: Quem hoje trabalha no Grab como parte desse projeto?

EM: Eu e mais cinco pessoas dedicamos parte do tempo útil com o objetivo de desenvolver uma modalidade no país. Existe capital humano e o que falta é investimento.

ME: Como o Grab pode crescer? Ele vai se tornar o novo organizador do rúgbi no país?

EM: O Grab vai precisar ter uma equipe de gestão de caixa. Não temos ambição técnica nenhuma. A Associação Brasileira de Rúgbi (ABR) tem os seus dirigentes, que são eleitos pelos clubes. A gente não foi eleito, não teve a eleição de ninguém. Nós acreditamos na gestão da ABR que está aí hoje. O capital humano da Grab é uma secretária e um executivo. Ela é uma empresa de gestão de caixa. A estrutura do rúgbi brasileiro determina que é a entidade nacional que faz essa gestão técnica. Quem somos nós para questionar isso?

ME: É possível ampliar o modelo do Grab para outros esportes, que sempre precisam de investimentos para crescer?

EM: Esse modelo, se funciona no rúgbi, funciona em qualquer outro esporte. Dá para pensar em fazer em qualquer outro esporte. Pode ser, por que não?

ME: Faz parte dos planos do Grab?

EM: Isso não está no escopo. Mas esse é um negócio que é apartidário. Se ele funciona no rúgbi, pode funcionar em qualquer outro, mas ainda não faz parte dos planos agora.

ME: Quanto o rúgbi do Brasil precisa hoje para ter um bom desempenho?

EM: Já recebemos o plano das seleções. Ele tem um cronograma hipotético para as seleções de rúgbi. O orçamento até o final de 2010 é de R$ 700 mil. Considerando esse plano de negócios, conseguiremos executar tudo o que é previsto com esse dinheiro. Isso vai desde campeonatos sul-americanos, até giros internacionais, etc. Hoje a gente começa a trabalhar com o orçamento. O nosso objetivo para o levantamento de fundos é esse daí.

ME: E como encontrar toda essa verba?

EM: É preciso transformar o plano em algo comercializável e ir para a rua.

ME: Existe alguma previsão de se pensar em parcerias com veículos de mídia para ampliar a divulgação do rúgbi?

EM: Isso é fundamental, porque, se você for para uma reunião e o cara viu na TV o esporte, ele com certeza trará mais recursos. Existe uma pessoa que se ofereceu em ser uma assessora de imprensa nas horas vagas, temos trabalhado também outras ferramentas de comunicação.

ME: Mas como a empresa fará isso sem recursos? Parte da verba que entrou inicialmente não está sendo usada para isso?

EM: Existe uma questão de prioridades. Preferimos disponibilizar todo esse dinheiro para as seleções e deixar o Grab carente nesse primeiro momento. A empresa precisa de vida própria mínima sem precisar de aporte de capital dos sócios. Caminho sem volta é desenvolver relação com parceiros e empresas de mídia e, conforme essa ação for evoluindo, ela ter uma vida própria. A idéia é que ela caminhe com as próprias pernas num futuro próximo.


Entrevista

Número do dia

R$ 11,3 mi

É o prêmio do Campeonato Brasileiro para o segundo lugar neste ano; quatro equipes ainda lutam pela posição.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Após título, Corinthians volta à audiência regular
2Vice-presidente da Televisa é assassinado na Cidade do México
3ESPN coloca streaming no topo de prioridades
4Real Madrid perde investidor para novo Bernabéu
5Uber ativa Grêmio e Inter com jogo entre passageiros
6NFL terá mais três jogos na Cidade do México
7Ibope revela torcida maior por Neymar do que por times
8Com Globo, Judô celebra 'semana perfeita'
9Em ação social da Magnus, Falcão usa camisa 13
10Análise: Esporte precisa trabalhar para o patrocinador