A Nike ultrapassou a Adidas em número de seleções patrocinadas na Copa do Mundo de 2014, mas terá vantagem quando se tratar dos jogadores de maior destaque em campo. Considerando a lista de melhores do mundo da Fifa de 2013, a empresa alemã mantém mais da metade dos nomes que estarão no Mundial.

A lista do Bola de Ouro da Fifa contém 23 atletas, dos quais vinte estarão na Copa do Mundo. Desses vinte nomes, 11 são patrocinados pela Adidas, enquanto sete têm a imagem vinculada à Nike. As únicas exceções são o volante costa-marfinense Yayá Touré e o atacante Falcao García, que usam chuteiras da Puma.

Se a Nike ficou para trás nessa contagem, pelo menos manteve o número 1 da lista, Cristiano Ronaldo. Eleito o melhor jogador do mundo, o português será um dos maiores destaques da Copa do Mundo. O maior rival dele na eleição da Fifa, Lionel Messi, é a grande estrela da marca alemã. Ademais, dos cinco melhores, mais três representam a Nike, além do atleta luso: Ribéry, Neymar e Iniesta. 

Assim como acontece com as seleções nacionais e os clubes, a disputa entre Nike e Adidas pelos jogadores é acirrada. Em 2013, a disputa pelo alemão Özil, que está na lista da Fifa, levou as duas empresas à justiça, e o jogador teve que usar uma chuteira sem marca por seis meses. No fim, a Adidas conseguiu tirá-lo da rival americana.

Em relação à lista da Fifa, a Nike ainda saiu em desvantagem porque um de seus principais garotos-propaganda, o sueco Zlatan Ibrahimovic, ficou fora da Copa do Mundo. A Adidas também teve um prejuízo semelhante, já que o galês Gareth Bale ficou na mesma situação.

A disputa é relevante para as empresas de material esportivo porque o uso de imagens dos jogadores é constante durante a Copa do Mundo em propagandas, redes sociais e pontos de venda. Em abril, a Nike lançou campanha global relacionada ao Mundial. No vídeo, há o uso de diversos nomes patrocinados pela marca, como Cristiano Ronaldo, Neymar e Iniesta. A Adidas dificilmente foge dessa linha em seus comerciais.


Notícia Adidas Nike Copa do Mundo

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
2Desodorante Axe, da Unilever, fecha com rivais Boca Juniors e River Plate
3Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
4Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
5Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
6Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
7Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
8Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
9Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
10Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo