A prefeita Virginia Raggi, ao tomar posse na prefeitura

Roma retirou candidatura para os Jogos Olímpicos de 2024 nesta quarta-feira (dia 21). A prefeita Virginia Raggi, eleita em junho, considerou o projeto inviável para uma das cidades mais endividadas da Europa.

“É irresponsável dizer sim a essa candidatura. Não temos nada contra o esporte, mas não gostamos das Olimpíadas de tijolos. Não queremos construir catedrais o deserto”, definiu.

Com a saída da capital italiana, restam na disputa Paris, Budapeste e Los Angeles. A escolha será feita em setembro de 2017, em Assembleia Geral do COI (Comitê Olímpico Internacional) marcada para Lima, no Peru.

A prefeita romana, integrande do partido Movimento Cinco Estrelas (M5E) afirmou que realizar Jogos Olímpicos na cidade significaria “hipotecar o futuro” de Roma, uma cidade que conta com dívida de € 13 bilhões (R$ 47 bilhões) e que “ainda está pagando dívidas adquiridas nos Jogos Olímpicos de 1960”.

A prefeita lembrou que 70% dos romanos se pronunciaram contra a Olimpíada durante as eleições. “Perdemos uma oportunidade incrível para Roma e a Itália”, lamentou Giuseppe Malagó, presidente do Coni (Comitê Olímpico Nacional Italiano), que não participou da conferência de imprensa em que foi anunciada a retirada da candidatura.

O Coni tinha prometido que a realização dos Jogos não custaria nada ao contribuinte. O orçamento, de € 5,3 bilhões, seria bancado integralmente pelo comitê, patrocinadores e governo federal.

A candidatura de Roma contava com apoio do primeiro-ministro Matteo Renzi, de centro-esquerda, que já havia criticado a M5S por rejeitar a iniciativa. “Perde-se uma grande chance de desenvolvimento e de criação de empregos. É um erro”, sentenciou o político

A prefeita de Roma, em encontro com o papa Francisco

A decisão da prefeita foi apoiada por vários políticos de extrema esquerda, que denunciaram as pressões sofridas por Raggi de empresários locais, que esperavam que os Jogos rendessem polpudos contratos para a construção de instalações esportivas.

“Os Jogos são como um sonho que se tornar pesadelo”, definiu a política, lembrando que Boston e Hamburgo também já havia aberto mão de suas candidaturas por problemas similares.

A primeira mulher a governar Roma na história reconheceu que não entende de futebol, mas lembrou do legado de piscinas e instalações esportivas abandonadas depois do Mundial de Desportos Aquáticos de Roma, realizado em 2005.

A decisão ainda precisará ser confirmada em votação da Câmara Municipal. Raggi anunciou que tem projetos “mais ambiciosos e concretos para a cidade”, como recuperação de ginásios nos bairros, obras de manutenção das ciclovias e melhorias no transporte. 


Notícia Roma Olimpíada 2014 Candidatura Desistência

Número do dia

€ 1 bi

Por ano pede a Série A da Itália pelos direitos televisivos; próxima negociação abrangerá período entre 2018 e 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Após venda para Heineken, Brasil Kirin deixa time de vôlei
2Jogo do Flamengo obtém melhor audiência do Brasileirão no Rio
3Palmeiras lança pacote para acompanhar jogo contra Inter pela Copa do Brasil
4Tottenham renova patrocínio máster por mais 5 anos
5Análise: Clubes precisam melhorar a entrega, se quiserem fidelizar patrocínio
6Asics apresenta no Rio novos uniformes da seleção de vôlei
7Robinho encerra imbróglio com Nike e fecha contrato com Adidas
8Com Crefisa, Palmeiras é top 10 entre camisas mais caras do mundo
9Análise: Estádio novo já é diferencial no mercado brasileiro
10Com Djokovic, Lacoste volta a ter presença no tênis