Espanha vive crise após prisão de presidente de federação

A prisão do presidente da RFEF (Real Federação Espanhola de Futebol), Ángel María Villar, já gera perdas financeiras para a entidade.

Na semana que vem, as contas da entidade serão votadas e a estimativa é que o faturamento para 2017 com parceiros comerciais atinja € 25 milhões, o que representaria uma queda de mais de 22%. Com isso, a arrecadação voltaria ao patamar de 2012, em momento no qual a Espanha ainda sofria com os efeitos da estagnação econômica.

Atualmente, os únicos patrocinadores com contrato até a Copa do Mundo da Rússia 2018 são Pelayo (seguros), Telefónica (telefonia), Cruzcampo (cerveja) e Sanitas (plano de saúde).

A Telefónica desembolsa € 6 milhões por ano e irá digitalizar o Centro de Treinamento de Las Rozas, usado pela seleção. Já a Iberdrola (energia) deixou de fazer aporte de € 12 milhões por ano para a seleção masculina para se tornar apoiadora exclusiva do time feminino.

Os demais parceiros atuais da RFEF são Air Europa (companhia aérea), LG (eletroeletrônicos), Emidio Tucci (marca que integra o portfólio da rede de lojas El corte inglés) e GLS (logística).

O único contrato de longo prazo foi firmado com a Adidas em 2015. O acordo anterior era válido até 2018 e foi renovado até 2026. A marca de material esportivo é responsável por um aporte de € 10 milhões.

O processo não é inédito. Desde 2014, a federação tem sofrido com a debandada de patrocinadores. Problemas de gestão e falta de resultados esportivos já provocou a saída de Chevrolet, Banesto, Bimbo, Nissan, Gillette, ASM, Continetal, Cepsa e Cabreiroá, entre outros.


Notícia Espanha Seleção Real Federação Espanhola de Futebol Crise de Imagem Prisão Àngel María Villar

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
4 CBF confirma criação da Série D
5Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
6Unicred faz 1ª campanha publicitária com Cesar Cielo
7Mayweather cobrará 25 milhões de dólares por uso de espaço em suas roupas
8Tom Brady esconde logotipo da Nike e reativa batalha de marcas na NFL
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10Análise: Conhecer o cliente é a próxima tarefa dos clubes no Brasil