Loterias Caixa renovaram por mais quatro anos

Com novo presidente e se reestruturando após os Jogos do Rio 2016, o CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) tem como grande desafio para os próximos meses encontrar uma nova parceira de material esportivo.

A Nike, que patrocinava o comitê desde 2012, não renovou o contrato no início deste ano.

“Sem sombra de dúvida, a saída da Nike foi bastante ruim. Essa decisão nem tem a ver com uma avaliação do desempenho nos Jogos [Paralímpicos] do Rio 2016. Foi uma definição internacional estratégica deles”, afirmou Mizael Conrado, eleito presidente do CPB no final de março, em entrevista à Máquina do Esporte.

Procurada na época, a marca de material esportivo não apontou as razões de ter deixado de apoiar o esporte paralímpico. Preferiu lembrar dos anos de parceria. “É muito gratificante contribuir para o desenvolvimento do paradesporto brasileiro e ao mesmo tempo inspirar milhões de pessoas ao redor do mundo”, afirmou a empresa, que também encerrou vínculo com o COB (Comitê Olímpico do Brasil).

Paralímpicos irão vestir Nike em Mundial de atletismo

Ex-jogador de futebol de 5, Mizael diz que a entidade conversa com outras empresas de material esportivo, mas não sabe quando terá uma marca para substituir a Nike. Para as próximas competições internacionais, o CPB terá que improvisar.

“Temos um residual [de material esportivo] da Nike. Em julho, será usado no Mundial de atletismo, em Londres. Para setembro e outubro, nos Mundiais de halterofilismo e natação, no México, vamos competir sem marca, caso o comitê ainda não tenha fechado com ninguém”, conta o dirigente.

“É um gasto significativo, já que existe cada vez mais tecnologia. O custo disso cresce a cada ano”, lamenta.

Ao menos uma boa notícia o comitê conseguiu neste início de ano: a renovação do contrato de patrocínio da Caixa Federal, que irá investir R$ 95 milhões no esporte paralímpico até os Jogos de Tóquio 2020.

“Devemos ter R$ 130 milhões pela Lei Piva [que destina parte da arrecadação das loterias da Caixa para o esporte], mais R$ 20 milhões neste ano com a renovação do patrocínio”, contabiliza.

Usando como argumento o bom desempenho na Paralimpíada do Rio 2016, quando o Brasil conquistou 72 medalhas (14 ouros, 29 pratas e 29 bronzes), o CPB espera anunciar em breve mais apoiadores.

“Devemos ter futuramente alguns patrocínios importantes a serem anunciados”, afirma o presidente do CPB, que diz ter conversas adiantadas com duas empresas privadas.


Notícia Loterias Caixa Comitê Paralímpico Brasileiro Nike Patrocínio

Número do dia

R$ 151 mi

Faturou o Palmeiras nos quatro primeiros meses deste ano; valor é R$ 39,5 milhões maior em relação a 2016.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1ESPN garante direitos da Premier League por cinco anos
2Análise: Bolt mostra que boa ação de RP não precisa de dinheiro
3Com naming right, G League tem aumento de 4 times na próxima temporada
4CBV detalha projeto de adaptação de Arena da Baixada para Liga Mundial
5Dono do Manchester City negocia compra time na Espanha
6Por governança, entidades formalizam rating do esporte
7 Flamengo troca Nike por Olympikus
8Flamengo atinge metas e tenta rentabilizar redes
9Bumbet oferecerá o troféu de #CraqueDoJogo na Copa do Brasil
10Fifa divulga relatório e aponta desvio de Teixeira