Em ano de Copa do Mundo no Brasil, Pelé, 73 anos, garoto-propaganda de várias marcas há décadas, conseguiu aumentar ainda mais os ganhos com publicidade e eventos. A agência que ele criou em 2012 para gerenciar a própria marca, Sport 10, estima que contratos publicitários vão gerar R$ 58 milhões (US$ 25 milhões) apenas em 2014. Até o fim da Olimpíada do Rio de Janeiro, em 2016, este número pode subir para R$ 233 milhões (US$ 100 milhões).

O cálculo, passado para a Bloomberg, foi feito por Paul Kemsley, CEO da Legends 10. É a agência com sede em Nova York – formada por ele e Terry Byrne, ex-gerente da imagem de David Beckham – que negocia contratos para a Sport 10. “Não era segredo que a Copa do Mundo e a Olimpíada seriam no Brasil. E o Pelé é o Brasil”, justificou Kemsley.

Leia mais
Exclusivo: Neymar assina com MediaCom, agência que tem Pelé como cliente

Pelé é o sócio majoritário da Sport 10, empresa fundada em 2012 com o objetivo de consolidar os direitos da marca dele. Somente nos últimos 18 meses o ex-jogador assinou contratos com Procter & Gamble, Volkswagen, Emirates e Subway, fora o acordo com a Coca-Cola para aparecer em alguns lugares específicos levando a taça da Copa do Mundo.

O ídolo também é o novo rosto da fabricante de relógios Hublot. A marca inaugurou a primeira loja no Brasil, no Rio de Janeiro, no mês passado. Pelé usava um modelo avaliado em R$ 45 mil. “Graças a Deus, muitas gerações ainda me acompanham”, disse ele na ocasião. O CEO da Hublot, Ricardo Guadalupe, revelou que a marca pagou cerca de US$ 500 mil para poder produzir um modelo exclusivo, com edição limitada, que tem a imagem de Pelé dando uma bicicleta na parte de trás do relógio. 

Mesmo com toda a fama gerada na época de Santos e seleção brasileira, empresários consideram que o ex-jogador não faturou tanto quanto poderia. “Pelé ganhou dinheiro durante toda a vida, mas não como agora. Quando ele jogava futebol, os salários não eram como os de hoje em dia”, disse Guadalupe. “Pelé deveria ser muito mais rico”, concordou Kemsley. Está aí a Copa para compensar.


Notícia Pelé Procter & Gamble Volkswagen Coca-Cola Subway Hublot Emirates Copa do Mundo

Número do dia

8,5 milhões

de euros cobra o Barcelona de Neymar, pelo valor de luvas dado ao jogador para a renovação com o time, em 2016.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Juventus fecha parceria com Segafredo por três anos
2Análise: Uruguai não deveria sediar a Copa do Mundo
3Amstel cria promoção para levar fãs à final da Libertadores
4Globo terá exclusividade de transmissão da Euro 2020 em todas as plataformas
5Esporte se levanta contra repercussão de Sportflix
6Ponte Preta terá patrocínio no número da camisa
7Fluminense recria plano "Tricolor de Coração" para sócios-torcedores
8Usain Bolt abrirá rede de restaurantes jamaicanos no Reino Unido
9Botafogo mantém patrocínio pontual com Óticas Diniz para enfrentar Flamengo
10Corinthians exalta liderança em estudo com redes sociais do esporte mundial