O Comitê Olímpico Internacional admitiu que as eleições para os Jogos Olímpicos de 2016 e 2020 podem ter sido fraudadas. A entidade soltou um comunicado para afirmar que está comprometida em “proteger a integridade do esporte”.

Segundo a entidade, existe uma investigação interna, com os advogados do comitê em contato com as autoridades brasileiras, para avaliar se houve de fato compra de votos para eleger o Rio de Janeiro sede dos Jogos Olímpicos.

O posicionamento acontece após a divulgação da operação “Unfair Play”, que chegou a intimar o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, a depor sobre o assunto.  

Junto com autoridades francesas, a operação da Polícia Federal chegou ao elo entre o dirigente brasileiro e ex-presidente da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo), Lamine Diack. Para colocar o Rio nos Jogos, teria existido uma transferência de US$ 2 milhões para compra de voto.


Notícia COI Nuzman Gestão

Número do dia

9 milhões

de reais é o valor estimado dos aparelhos de ginástica que foram instalados no Parque Olímpico e serão usados por atletas profissionais.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por reputação mundial, Petrobras retorna à F1 com a McLaren
2Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
3Brasil Open fecha com quatro emissoras
4Análise: Neymar não precisava de acordo com a Globo
5Cruzeiro resgata apelido e faz campanha por Libertadores
6Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
7Fundo chinês assume controle do grupo multimídia Mediapro
8Santos refaz acordo com Umbro, que vestirá clube até 2020
9Rede de fast-food argentina fecha com AFA para Copa do Mundo
10SporTV e Samsung fazem parceria e terão aplicativo em 4K para Copa 2018