O Comitê Olímpico do Brasil apresentou, agora de forma oficial, a chinesa Peak Sport como fornecedora de material esportivo da entidade. A grande novidade do contrato será o repasse de parte do valor do patrocínio para os principais atletas do Time Brasil.

Sem divulgar quais serão os valores, a Peak irá compensar os nomes do país que conseguirem medalhas olímpicas. A marca estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, disputado em PyeongChang, Coreia do Sul. O acordo com o comitê será válido até os Jogos de Paris, em 2024.

“A Peak Sport separou uma parcela em dinheiro para premiar os atletas que conquistarem medalhas olímpicas até 2024. Isso é um fato inédito, e desde já os nossos atletas já sabem que terão um incentivo adicional na disputa pelo pódio. Estamos fechando os valores para as medalhas de ouro, prata e bronze”, explicou gerente geral de marketing do COB, Rafael Grabowsky, no site da entidade.

Na terça-feira (19), a Peak apresentou as primeiras peças para os atletas. As vestimentas são de inverno, para a disputa em PyeongChang, no início do próximo ano. O azul e o amarelo foram as cores escolhidas para predominar nas roupas exibidas.

Além da premiação aos atletas, outra promessa da Peak para se diferenciar como parceira do COB é a personalização de uniformes para cada modalidade e para a necessidade de cada atleta. A estreia da marca no comitê representa também a entrada da empresa chinesa no mercado brasileiro.

“Como uma empresa de esportes, nós realmente gostamos de trabalhar com os atletas e o Brasil tem essa variedade. Não queremos somente exportar os nossos produtos, queremos que a Peak Sport cresça na América do Sul. Cada Comitê Olímpico Nacional tem a sua característica e acho que estamos fazendo algo novo”, afirmou diretora geral da Peak Sport, Christin Wu.

A empresa chinesa chegou ao Time Brasil para substituir a Nike, que forneceu material para a entidade entre 2012 e 2016. Neste ano, sem acerto com uma nova empresa, os atletas brasileiros permaneceram com vestimentas da empresa americana, mas sem um contrato assinado.

O COB perdeu todos os patrocinadores que estiveram no Rio 2016, mas depois a entidade já acertou com Aliansce, a Travel Ace, a BRW Sports Group e a SRCOM, além da própria Peak.


Notícia Peak COB

Número do dia

30 milhões

de dólares deve investir o governo argentino para capacitar o autódromo de Buenos Aires para poder receber uma prova da Fórmula 1.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
2Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
3Barcelona acredita em 1 bilhão de euros em receitas antes de 2021
4Novo contrato entre Ferrari e Philip Morris quer “um mundo livre do fumo”
5Argentina negocia para voltar a receber Fórmula 1 em 2019
6Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
7Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
8Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
9Patrocinadores diversificam ativações no Rio Open
10Adidas põe 3 listras em 6 das 10 camisas mais vendidas do futebol