“O futebol argentino está em uma crise terminal”. A frase foi proferida pelo presidente do país, Mauricio Macri, nos primeiros dias deste ano. Dez meses depois, a realidade está clara como nunca: o time tem grandes chances de ficar fora da Copa do Mundo, algo que não acontece desde 1970.

Caso o time não consiga se classificar ao Mundial, a Associação do Futebol Argentino (AFA) chegaria ao ápice de sua crise. Os problemas começaram a transparecer depois do falecimento de Julio Grondona, que presidiu a entidade por 35 anos; o dirigente faleceu em 2014. Após sua morte, uma comissão foi criada para gerir o esporte no país, mas com sucessivos insucessos.

A situação entrou em colapso especialmente após o fim do ‘Futebol para Todos’, programa da ex-presidente Cristina Kirchner que estatizou a compra dos direitos televisivos do Campeonato Argentino. A iniciativa rendia R$ 500 milhões anuais à AFA, e a sua suspensão pelo atual governo foi o que gerou a frase citada por Macri.

Sem a verba, a AFA tem colecionado problemas. No último ano, a dívida fiscal da entidade já havia chegada a US$ 85 milhões. Neste ano, a falta de repasse aos clubes gerou onda de atrasos salariais a atletas, e o campeonato nacional foi adiado após greve declarada pelo Sindicato dos jogadores do país.

Em campo, a seleção argentina não conseguiu ter continuidade após o vice conquistado no Brasil. Foram três treinadores diferentes ao longo das atuais Eliminatórias, que não conseguiram fazer com que uma geração talentosa, com nomes como Messi, Di Maria e Dybala, rendesse nos gramados.

Caso não se classifique, a crise financeira será ainda pior. Segundo levantamento do site Marketing Registrado, somente em premiação a AFA deixaria de ganhar US$ 12 milhões pela participação. Seriam mais US$ 12 milhões caso se classificasse para as oitavas. E o valor chegaria a US$ 50 milhões com o título.

Entre os patrocinadores, não há cláusulas de rescisão caso o time não dispute a Copa do Mundo. Ainda assim, a AFA deixaria de ganhar algumas premiações dos parceiros. Hoje, a associação conta com o aporte principal de Adidas, Coca-Cola, Quilmes, Claro, Naranja, Sancor Seguros e YPF, que pagam entre US$ 1 milhão e US$ 2 milhões anuais à entidade. Os parceiros menores, como Aerolíneas Argentinas, Gillette e Powerade, arcam com cerca de US$ 500 mil.  


Notícia Argentina AFA Gestão Copa do Mundo

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
2Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
3Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
4Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
5Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
6Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
7Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
8Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10LaLiga inova e anuncia patrocínio à equipe Renault na F1