Qual é a diferença entre homens e mulheres na hora de consumir esporte? A indagação costuma circular os agentes do segmento, desde clubes com produtos licenciados até os grandes veículos de mídia. No último ano, a ESPN deu um passo além para avaliar essa face de seu mercado. E concluiu que a disparidade é uma ilusão.

Em 2016, a empresa trouxe para o Brasil a plataforma W, usada nos Estados Unidos desde 2010. O espnW surgiu com o objetivo de falar diretamente com o público feminino, com temáticas que rondam essa segmentação de mercado. Hoje, a companhia está em processo contrário: irá unir o conteúdo com o que já é apresentado normalmente para o público geral.

A conclusão é simples e foi explicada pelo diretor de novos negócios da ESPN, Alexandre Biancamano, à Máquina do Esporte: “A conclusão desse primeiro ano, que usamos para a entender a dinâmica do público feminino, é que a relação do homem e da mulher com o esporte não é tão diferente assim”.

O executivo ponderou que há algumas distinções. Dados e números esportivos têm a preferência masculina, enquanto histórias do esporte atraem mais mulheres, por exemplo. Por outro lado, o público feminino surpreende ao estar presente com força em materiais que envolvem modalidades como a NFL, geralmente associadas ao outro gênero.

“Nós não tínhamos receio de conectar o conteúdo, mas queríamos ver como isso iria funcionar. Estar separado torna mais fácil de fazer essa avaliação, de encontrar a linguagem mais correta para esse público”, comentou Biancamano.

De qualquer maneira, o espnW funcionou como um chamariz de mulheres para o site da emissora. Em 2016, a criação do ‘W’ foi justificada porque a audiência feminina da página do canal já era de 10%. Hoje, ela está entre 20% e 25%, o que corroborou o crescimento geral.

Um dos símbolos do crescimento rápido do espnW é que, já no primeiro ano, ela ganhou espaço na grade da televisão. Originalmente, o plano era ter um programa específico depois de mais tempo de experiência.

A ESPN espera agora concluir a união entre o espnW e o conteúdo usual da emissora no meio online. Essa fusão já teve início, mas deverá ser completada apenas nos próximos meses.


Notícia ESPNW

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
4 CBF confirma criação da Série D
5Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
6Unicred faz 1ª campanha publicitária com Cesar Cielo
7Mayweather cobrará 25 milhões de dólares por uso de espaço em suas roupas
8Tom Brady esconde logotipo da Nike e reativa batalha de marcas na NFL
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10Análise: Conhecer o cliente é a próxima tarefa dos clubes no Brasil