Qual é a diferença entre homens e mulheres na hora de consumir esporte? A indagação costuma circular os agentes do segmento, desde clubes com produtos licenciados até os grandes veículos de mídia. No último ano, a ESPN deu um passo além para avaliar essa face de seu mercado. E concluiu que a disparidade é uma ilusão.

Em 2016, a empresa trouxe para o Brasil a plataforma W, usada nos Estados Unidos desde 2010. O espnW surgiu com o objetivo de falar diretamente com o público feminino, com temáticas que rondam essa segmentação de mercado. Hoje, a companhia está em processo contrário: irá unir o conteúdo com o que já é apresentado normalmente para o público geral.

A conclusão é simples e foi explicada pelo diretor de novos negócios da ESPN, Alexandre Biancamano, à Máquina do Esporte: “A conclusão desse primeiro ano, que usamos para a entender a dinâmica do público feminino, é que a relação do homem e da mulher com o esporte não é tão diferente assim”.

O executivo ponderou que há algumas distinções. Dados e números esportivos têm a preferência masculina, enquanto histórias do esporte atraem mais mulheres, por exemplo. Por outro lado, o público feminino surpreende ao estar presente com força em materiais que envolvem modalidades como a NFL, geralmente associadas ao outro gênero.

“Nós não tínhamos receio de conectar o conteúdo, mas queríamos ver como isso iria funcionar. Estar separado torna mais fácil de fazer essa avaliação, de encontrar a linguagem mais correta para esse público”, comentou Biancamano.

De qualquer maneira, o espnW funcionou como um chamariz de mulheres para o site da emissora. Em 2016, a criação do ‘W’ foi justificada porque a audiência feminina da página do canal já era de 10%. Hoje, ela está entre 20% e 25%, o que corroborou o crescimento geral.

Um dos símbolos do crescimento rápido do espnW é que, já no primeiro ano, ela ganhou espaço na grade da televisão. Originalmente, o plano era ter um programa específico depois de mais tempo de experiência.

A ESPN espera agora concluir a união entre o espnW e o conteúdo usual da emissora no meio online. Essa fusão já teve início, mas deverá ser completada apenas nos próximos meses.


Notícia ESPNW

Número do dia

R$ 151 mi

Faturou o Palmeiras nos quatro primeiros meses deste ano; valor é R$ 39,5 milhões maior em relação a 2016.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1ESPN garante direitos da Premier League por cinco anos
2Análise: Bolt mostra que boa ação de RP não precisa de dinheiro
3Com naming right, G League tem aumento de 4 times na próxima temporada
4CBV detalha projeto de adaptação de Arena da Baixada para Liga Mundial
5Dono do Manchester City negocia compra time na Espanha
6Por governança, entidades formalizam rating do esporte
7 Flamengo troca Nike por Olympikus
8Flamengo atinge metas e tenta rentabilizar redes
9Bumbet oferecerá o troféu de #CraqueDoJogo na Copa do Brasil
10Fifa divulga relatório e aponta desvio de Teixeira