O McDonald’s deixará os Jogos Olímpicos após 41 anos de parceria. A empresa americana entrou em acordo com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para suspender o atual contrato, que iria até Tóquio 2020.

Apesar de o contrato já ter sido interrompido, o McDonald’s ainda fará uma despedida aos eventos. A empresa estará presente nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang. O acordo, no entanto, será local, com ativações limitadas à Coreia do Sul. Mais uma vez, haverá restaurantes da rede no Parque Olímpico e no Vila Olímpica.

Em nota, a diretora de marketing global do McDonald’s, a brasileira Silvia Lagnado, justificou a iniciativa adotada pela empresa. “Como parte do nosso plano de crescimento global, estamos reconsiderando todos os aspectos do nosso negócio e tomamos essa decisão em cooperação com o COI para focar em diferentes prioridades”, afirmou.

Segundo a Máquina do Esporte apurou, o McDonald’s irá focar na experiência do consumidor dentro de suas lojas, com novas formas de serviço e atendimento cada vez mais personalizado. Com a diretriz definida, foi entendido que os Jogos Olímpicos não davam o melhor suporte a essa estratégia.

Ainda que os Jogos representassem um ganho de marca, os valores já não faziam sentido para as novas prioridades. A cada ciclo olímpico, são investidos cerca de US$ 100 milhões, cerca de R$ 330 milhões, fora os valores de ativação durante o evento. Em Londres, por exemplo, foi montado o maior restaurante da rede, com 3 mil metros quadrados. No Rio, a atuação já havia sido mais discreta.

Além da conexão de imagem entre McDonald’s e Jogos Olímpicos, a marca esteve nas últimas décadas relacionada à ascensão do modelo de negócio do COI. Em 1968, a empresa foi o patrocinador de varejo de alimentos do evento realizado na Cidade do México. Mas foi na década de 1980 que a empresa se tornou ainda mais próxima, com a ajuda na fundação do TOP (The Olympic Partner).

Com o programa, pensado para tornar os Jogos menos dependentes dos contratos de televisão, o COI multiplicou o faturamento. Hoje, o grupo de empresas é responsável por levantar US$ 1 bilhão a cada ciclo olímpico. Atualmente, já sem o McDonald’s, são 12 marcas parceiras, entre Coca-Cola, Visa, Samsung e, mais recentemente, Alibaba. 

O COI anunciou que não tem planos no momento para a substituição de uma marca na categoria de varejo de alimentação. Mais do que isso, afirmou que irá rever a presença dela no programa de patrocinadores globais.

O programa, por sinal, foi enaltecido pelo diretor de marketing do COI, Timo Lumme: “A estratégia de patrocínio do COI tem como objetivo a parceria em longo prazo que ajuda o Movimento Olímpico a atingir os objetivos estabelecidos na Agenda Olímpica para 2020. Essa estratégia é exemplificada pelo recente anúncio de acordos inovadores a longo prazo com parceiros globais novos”.


Notícia McDonald's COI Jogos Olímpicos Patrocínio

Número do dia

20 milhões

de dólares custou o novo estádio para 45 mil pessoas do Cerro Porteño, do Paraguai, que foi inaugurado no último fim de semana.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Esporte se levanta contra repercussão de Sportflix
2 Análise: Copa é maior desafio das TVs após bolha
3Grêmio fecha patrocínio com rede hoteleira
4Análise: Esporte deveria se manter longe do jogo político
5Fox Sports oficializa transmissão da Copa do Mundo da Rússia
6Fórmula 1 cria campeonato e entra no mundo dos e-Sports
7Oakley patrocina principal prova de ciclismo da América Latina em SP
8Esporte Interativo transmitirá Copa do Mundo de Ginástica até 2020
9Nike ativa atletas com lançamento de quadra em São Paulo
10NFL fecha parceria para transmissão via plataformas digitais na China