Como parte de acordo firmado com o Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro, o Botafogo iniciou campanha nas redes sociais contra o trabalho escravo. O clube irá investir R$ 2,7 milhões com as ações de conscientização.

O clube divulgou, em seu site oficial e nas redes sociais, o primeiro vídeo, utilizando a imagem de atletas do elenco, como os atacantes Neilton e Navarro, para a campanha. O acordo com o MPT-RJ havia sido homologado no mês passado pela Justiça. O valor que será desembolsado pela equipe carioca se refere ao pagamento de dano moral coletivo e multa pelo atraso no pagamento de salários, verbas rescisórias e depósito de FGTS dos trabalhadores do Botafogo.

A campanha também inclui a entrada do time, em dias de jogos, com a faixa: “MPT e Botafogo: acordo em benefício dos trabalhadores”, nos jogos da Série B do Campeonato Brasileiro. Essas ações começaram no mês passado, em jogo contra o América (MG), em Belo Horizonte.

A ideia original da Justiça foi aproveitar a popularidade e o alcance do público do futebol para conscientizar a população sobre a importância de combater o trabalho escravo. Nos vídeos divulgados pelo Botafogo ainda há o número para denunciar irregularidades pelo país (08000-221-331).

Além do vídeo divulgado nesta semana no site oficial do Botafogo, o time também irá divulgar a campanha nos backdrops durante as coletivas do time. O time carioca havia sido condenado, em junho de 2014, a pagar dano moral coletivo de R$ 500 mil e sanar irregularidades trabalhistas. O Botafogo alegou passar por dificuldades financeiras por conta de bloqueio de receitas pela Justiça, agravadas pelo fechamento do estádio do Engenhão. O investimento em campanhas educativas serviu para solucionar a questão. 

 


Notícia Botafogo Redes Sociais Trabalho Escravo Campanha Ministério Público do Trabalho