A candidatura conjunta de EUA, Canadá e México, é a favorita a sediar a Copa do Mundo de 2026. O Marrocos surge como o azarão.

Será a primeira edição do Mundial da Fifa com 48 países, o que representa um aumento de 50% em relação ao número atual, que será seguido na Rússia 2018 e Qatar 2022.

Quando a Fifa decidiu aumentar as vagas, a Máquina do Esporte mostrou que o futebol masculino passava a ser o Mundial de esportes coletivos mais “democrático” do planeta, com participação de quase 24% dos filiados à entidade.

O projeto norte-americano é grandioso. Serão 49 estádios em 44 cidades. Mas nem o país mais estruturado no esporte tem condição de encarar sozinho o desafio de sediar um megaevento dessa proporção. A estimativa de custos não foi divulgada.

A Copa do de 2014 contou com 12 arenas. Boa parte desse legado, como os estádios de Manaus, Cuiabá, Brasília e Natal, tem pouco uso. Foram gastos R$ 25 bilhões, sendo R$ 8 bilhões nas arenas.

Para 2030, outra candidatura conjunta desponta: Uruguai e Argentina. Seria uma homenagem aos uruguaios, sede da primeira edição, em 1930, no centenário da Copa do Mundo.

No entanto, com economias mais frágeis, nossos vizinhos sul-americanos teriam que encarar o desafio de erguer ou reformar arenas sofisticadas, no padrão Fifa, em números semelhantes ao da edição norte-americana. Há um problema adicional: a ausência de tantas cidades com infraestrutura hoteleira para abrigar jogos.

Vale a pena despender tanto dinheiro com esporte, gerando, além de buraco no caixa, enormes elefantes brancos? Não. O Uruguai merecia esse tributo. Nas atuais condições do Mundial da Fifa, é melhor que não o tenha.


Notícia Copa do Mundo Fifa Estados Unidos México Canadá Uruguai Argentina

Número do dia

10 milhões

de reais espera faturar o São Paulo com o aluguel do estádio do Morumbi para shows musicais no segundo semestre deste ano.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Adidas supera Jordan e persegue Nike em vendas de tênis nos EUA
2Relatório: Quase metade das franquias da NBA perde dinheiro
3Neymar vende 4 mil camisas por dia desde que chegou ao PSG
4COB apresenta Peak, que premiará atletas com medalhas
5Análise: PSG não conseguirá mensurar sucesso de Neymar
6Máquina promove "Café com Medalha" na Bahia
7Trio Alimentos fecha com principal prova de ciclismo da América Latina em SP
8Nike lança novas camisas da NBA e inova com aplicativo conectado
9Ministério do Esporte terá corte de 87% do orçamento, diz blog
10Fluminense celebra números em série de ações nas redes