Estádio lotado, crianças e mulheres presentes. Na arquibancada, uma linda festa da torcida. Desde o ano passado, essa tem sido a tônica dos clássicos disputados no estado de São Paulo. O veto à presença de torcida adversária nos jogos entre dois grandes clubes tem causado uma perigosa situação.

Cada vez mais é difícil a relação que temos tido com a opinião contrária à nossa. A intolerância com o diferente é um problema que se agrava, a ponto de pensamentos radicais de segregação serem apoiados em massa por nações como Estados Unidos e Inglaterra.

Por aqui, se ainda toleramos divergir em pensamento, o futebol virou o espaço em que pensar diferente não é legal. Num processo longo de fomento de ódio ao diferente, apoiado pela imprensa, mesmo sem perceber, afastamos a diversidade do estádio.

Como pai, só cogitei ir a um clássico com meus filhos ainda pequenos depois de a torcida única ser implementada. Ao perceber isso, reparei o quão estúpida é a decisão de se ter só uma torcida dentro de um estádio no país.

Minha paixão pelo futebol foi testada e aprovada quando assisti a um clássico pela primeira vez no estádio. A festa das duas torcidas, divididas e envolvidas meio a meio, é um cenário que torna impossível não se apaixonar.

Ter só um torcedor na arquibancada justamente no dia em que todos os elementos imponderáveis de paixão num jogo estão envolvidos é começar a colocar um fim naquilo que é o mais importante: aceitar as diferenças.

O esporte pode ensinar muitas coisas às pessoas. Torcida única não é um bom negócio. Em nenhum cenário.


Notícia Torcida Única Gestão Estádios

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
4 CBF confirma criação da Série D
5Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
6Unicred faz 1ª campanha publicitária com Cesar Cielo
7Mayweather cobrará 25 milhões de dólares por uso de espaço em suas roupas
8Tom Brady esconde logotipo da Nike e reativa batalha de marcas na NFL
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10Análise: Conhecer o cliente é a próxima tarefa dos clubes no Brasil