A notícia começou a se espalhar no final de semana. Uma reportagem no jornal Metro do México anunciava a chegada da Sportflix, sistema de exibição de vídeos de esporte por streaming baseado no desruptivo Netflix.

A mídia logo tratou de cravar que vinha aí a revolução na forma de consumir esporte no mundo. A reportagem dizia que os donos do Sportflix exibiriam torneios como Liga dos Campeões, Libertadores, NFL, NBA e até Brasileirão para usuários pelo mundo.

Mas é impossível para o Sportflix ser tão revolucionário quanto foi a Netflix há uma década, quando passou a ser ofertado por streaming nos EUA.

Por alguns anos, a empresa comprou os direitos de exibir vídeos e séries de grandes estúdios, que também tinham canais de TV a cabo. Quando o público migrou para a internet, o golpe foi duro. Hoje, no mercado americano mais amadurecido, os grandes produtores migraram para a plataforma de streaming, enquanto a Netflix passou a ser também produtora de conteúdo.

Com o Sportflix, a lógica não serve. Quem detém o conteúdo é o esporte, que revende aos canais de TV os direitos de exibir as imagens. Assim, a Sportflix só poderia ter direito de exibir eventos se comprasse dos organizadores os direitos. Ou das TVs.

Na tarde de quinta-feira, a Fox já emitiu comunicado rechaçando repassar direitos. A ESPN também anunciou, nos EUA, que montará plataforma direta para o consumidor antes mesmo de crescer o barulho sobre Sportflix. E, aqui, a aposta da emissora americana tem sido o streaming, assim como a Globo tem usado cada vez mais os seus aplicativos para exibir tanto vídeos históricos quanto jogos ao vivo.

Em menos de uma semana, o Sportflix, que parecia ser a revolução do esporte, se tornou uma bravata.


Notícia Mídia Marketing Sportflix Fox ESPN Globo

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
4 CBF confirma criação da Série D
5Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
6Unicred faz 1ª campanha publicitária com Cesar Cielo
7Mayweather cobrará 25 milhões de dólares por uso de espaço em suas roupas
8Tom Brady esconde logotipo da Nike e reativa batalha de marcas na NFL
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10Análise: Conhecer o cliente é a próxima tarefa dos clubes no Brasil