Meus dois últimos livros de cabeceira dizem muito sobre a situação do esporte brasileiro. Engatei a leitura de “Um olho na bola, outro no cartola”, do hoje senador Romário, com “Confesso que perdi”, do jornalista Juca Kfouri.

Romário relata os percalços da última CPI que investigou o futebol. Já Kfouri escreve um livro de memórias sobre sua experiência no jornalismo esportivo desde a década de 1970. Ambos têm um tom de desencanto em relação à omissão dos atletas diante das questões da política e do esporte brasileiro.

Romário lembra o Bom Senso e sua falta de continuidade. Kfouri exalta exceções como a Democracia Corintiana, liderada pelo craque Sócrates.

Nos EUA, a situação é bem diversa. No último domingo, jogadores do Jacksonville Jaguar e do Baltimore Ravens se ajoelharam durante a execução do hino norte-americano. Era um protesto contra o presidente Donald Trump, que sugeriu que esse tipo de manifestação deveria ser punido com a demissão dos atletas.

A própria NFL divulgou nota em apoio a seus jogadores, seguida pela manifestação de donos de franquias, como Robert Kraft, do New England Patriots, um dos mais entusiastas eleitores de Trump.

Na NBA, o armador Stephen Curry, do Golden State Warriors, negou-se a participar da tradicional visita do campeão da liga à Casa Branca. Com sua descortesia habitual, o presidente norte-americano retirou o convite ao astro da equipe.

“Nós não defendemos basicamente o que o nosso presidente defende”, disse Curry, fazendo uma bela cesta de três pontos.

No Brasil, o governo federal anunciou corte de 87% no orçamento do Ministério do Esporte na semana passada, o que pode inviabilizar projetos como o bolsa-atleta. A notícia foi acompanhada por um silêncio ensurdecedor de toda a comunidade esportiva.

Neste momento, policiais brasileiros e franceses investigam a compra de votos que teria garantido a eleição do Rio como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB, foi levado a depor. Na sua casa, os agentes encontraram quase meio milhão de reais embaixo do colchão. Com honrosas exceções, como a nadadora Joanna Maranhão, quase nenhum atleta abriu a boca para comentar o caso.

No futebol, a CBF é comandada por Marco Polo Del Nero, acusado de receber propina em várias investigações do FBI. Por conta disso, ao contrário do desbravador veneziano que inspirou seu nome, o cartola brasileiro é um ser que não viaja por medo de ser preso. Mesma estratégia é seguida pelo ex-presidente Ricardo Teixeira, hoje um recluso no Rio de Janeiro.

Quantos jogadores, com discurso de alcance global, se revoltaram contra essa situação? O mutismo do mundo da bola é constrangedor.


Notícia COB CBF Gestão Ministério do Esporte Atletas NFL NBA Donald Trump Stephen Curry

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
2Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
3Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
4Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
5Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
6Santos faz ação inteligente e usa Dodô errado para anunciar Dodô certo
7Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
8Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10LaLiga inova e anuncia patrocínio à equipe Renault na F1