Aos poucos, a indústria do esporte no Brasil começa a mostrar alguns níveis maiores de maturidade em relação ao que havíamos experimentado há cerca de uma década, antes de os megaeventos entrarem em nossa rota.

Passada a euforia de Copa e Olimpíadas, o que fica é uma indústria um pouco mais madura, com uma visão mais clara do que pode ser oferecido para quem investe num patrocínio.

O caso do banco Inter, que usará o São Paulo para turbinar sua lista de correntistas, é ótimo exemplo de ação que não demanda muito esforço e que pode obter um ótimo resultado.

Ainda há algumas aberrações, como o comportamento de uma Crefisa no Palmeiras, ou patrocinadores que ainda se contentam apenas com a exposição de marca. Mas, via de regra, o que o Brasil exibe hoje são diversas tentativas de fazer um patrocínio ser o que precisa: um apoio ao patrocinado, mas que gere retorno a quem investe.

Há uma semana, Duda Lopes, de Boston, trouxe uma visão interessante de um especialista americano. Vivemos, hoje, uma indústria que era a realidade americana de duas décadas. Esse atraso começa a ser tirado pela melhoria no nível do profissional dentro do mercado de esporte. Temos, em clubes e confederações, gente muito mais preparada do que tempos atrás.

E a tendência, no futuro, é de uma melhora ainda maior no mercado. O esporte sabe, hoje, que precisa inventar formas de gerar receita para pagar uma estrutura cada vez mais cara.

A maturidade vem a fórceps. Seja na criação de um cartão exclusivo para o torcedor de um clube, seja no aumento de programas como o sócio-torcedor. O negócio do esporte no Brasil é, hoje, melhor do que há cinco anos.


Notícia Banco Inter São Paulo Ativação Mercado

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
2Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
3Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
4Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
5Entre abertas e pagas, Brasil Open fecha com quatro emissoras
6Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
7Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
8Desodorante Axe, da Unilever, fecha com rivais Boca Juniors e River Plate
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1