Soa no mínimo estranha a decisão da Chevrolet de abandonar, às pressas, o patrocínio ao futebol. A empresa foi grande apoiadora de Marco Polo Del Nero desde a época em que o dirigente comandava a FPF.

Para muitos, o patrocínio da montadora a 22 campeonatos estaduais foi fator determinante para a eleição de Del Nero para comandar a CBF, em 2014, no lugar de José Maria Marin.

Com o dirigente na confederação, a Chevrolet decidiu migrar o apoio dos Estaduais para o Brasileirão. Nesse período, empresa e Del Nero enfrentaram períodos turbulentos, incluindo a operação policial que prendeu parte da cúpula da Fifa, em maio de 2015, às vésperas da eleição de Joseph Blatter para mais um mandato.

Mesmo com a ressaca do 7 a 1 e com o pouco empolgante retorno de Dunga, a Chevrolet resolveu investir na seleção, contratando inclusive o técnico como embaixador. Duas eliminações seguidas em Copas Américas e uma fraca campanha nas eliminatórias fizeram o treinador cair.

Substituído por Tite, a montadora finalmente viu os bons resultados aparecerem e a imagem da seleção ser resgatada. Há dois meses, o Brasil foi o primeiro time a garantir, em campo, vaga na Copa do Mundo da Rússia, após golear o Paraguai, em São Paulo.

Para qualquer marca, é um ótimo ativo a ser explorado, com um ano de ativações até o início do Mundial.

Mas, o que decide a Chevrolet, após o primeiro sinal de sucesso da seleção brasileira, desde o vexame histórico do Mineirão? Sair do futebol, alegando necessidade de “readequar seus investimentos de marketing” diante de um “cenário desafiador”.

Quais as verdadeiras razões? Fica a interrogação.


Notícia CBF Chevrolet Seleção Brasileira Campeonato Brasileiro Patrocínio Title Sponsor

Número do dia

206 milhões

De reais é a renda bruta de bilheteria da Arena Corinthians desde a sua inauguração, antes da Copa de 2014.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Com Corinthians, Spotify esquenta briga entre aplicativos
2Dez empresas disputarão licitação para gerir comercializações da Conmebol
3Vereador apresenta projeto de lei para São Paulo não perder CT em 2022
4Patrocinadora, Evonik compra parte de Borussia Dortmund por R$ 80 milhões
5Mesmo com estatuto, São Paulo tem novo escândalo
6Neymar coloca Ligue 1 no topo da audiência da TV fechada
7 CBF confirma criação da Série D
8Dono do Manchester City negocia compra time na Espanha
9Com investidores, Michael Jordan e Derek Jeter compram Miami Marlins
10TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década