Apesar da oposição dos clubes europeus, a Fifa deve oficializar o inchaço da Copa do Mundo para 48 seleções. Por trás de um incremento de 50% no número de participantes está a promessa de tornar o Mundial mais atraente em nível global.

Com mais países, os direitos de TV serão mais caros. Para a Fifa, a presença de países superpopulosos na Copa como China e Índia servirá para abrir fronteiras e aumentar a arrecadação com patrocinadores.

Por trás da iniciativa também está uma promessa de campanha de Gianni Infantino de dar mais peso à periferia da bola. Afinal, nações hoje fora da elite terão a chance de disputar o primeiro Mundial. Segundo o site “Terra”, caso tivesse sido implantado para a Copa de 2014, Uzbequistão, Qatar, Jordânia, Omã, Etiópia, Burkina Faso, Panamá, Venezuela e Islândia teriam estreado no torneio.

A opção eleitoreira de Infantino não é algo novo na Fifa. Em 1974, João Havelange foi eleito com a promessa de elevar o número de seleções de 16 para 24 a partir de 1982. Com isso, abriu mais vagas para África e Ásia, seus principais cabos eleitorais. Ao ser empossado, Joseph Blatter aumentou em 33% no número de participantes do Mundial de 1998.

No limite, a Copa com 48 países pode despertar mais interesse da torcida e arrecadação aos cofres da entidade. Mas o nível técnico irá desabar. Como atração esportiva, o Mundial perde valor.


Notícia Copa do Mundo Gestão

Número do dia

9 milhões

de reais é o valor estimado dos aparelhos de ginástica que foram instalados no Parque Olímpico e serão usados por atletas profissionais.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por reputação mundial, Petrobras retorna à F1 com a McLaren
2Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
3Brasil Open fecha com quatro emissoras
4Análise: Neymar não precisava de acordo com a Globo
5Cruzeiro resgata apelido e faz campanha por Libertadores
6Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
7Fundo chinês assume controle do grupo multimídia Mediapro
8Santos refaz acordo com Umbro, que vestirá clube até 2020
9Rede de fast-food argentina fecha com AFA para Copa do Mundo
10SporTV e Samsung fazem parceria e terão aplicativo em 4K para Copa 2018