Ainda é difícil mensurar quantos corredores de rua o Brasil possui e o quanto essa indústria movimenta anualmente. A dificuldade é fruto de uma maturidade recém-atingida por esse mercado no país. Mesmo assim, já é possível cravar que a modalidade mudou de status por aqui.

Hoje, corrida de rua não é mais para nicho de aventureiros. No início dos anos 2000, esse mercado se transformou ao atrair pessoas de renda mais alta. Ralar no asfalto passou de esporte barato para opção de exercício entre mais sedentários.

Nesse caminho, as provas nas grandes cidades viraram uma febre adotada por amadores e por diversas empresas interessadas em um relacionamento direto com potenciais clientes. Era, e ainda é, uma fórmula poderosa de gerar valor e venda por meio do esporte.

Passados 15 anos, muito mudou. Em parte, porque o contingente de pessoas interessadas não parou de crescer, graças a uma década em que a pirâmide social do país sofreu uma positiva mutação. Para exemplificar, o Sebrae calcula que, nos últimos cinco anos, o número de academias tenha subido 127% no Brasil.

Com essa situação, a corrida de rua passou a se sustentar como plataforma de marketing de grandes marcas, e não mais de patrocínios pontuais a provas. Esse é o grande sinal de maturidade do segmento.

E é o que explica uma marca como a Continental misturar corrida com o futebol na comunicação. Ou a Disney usar o running para anunciar filmes. Ou marcas de esporte criarem pontos de parada nas ruas apenas para corredores para criar experiências novas ao atleta.


Notícia Corrida de Rua Marketing Patrocínio

Número do dia

9 milhões

de reais é o valor estimado dos aparelhos de ginástica que foram instalados no Parque Olímpico e serão usados por atletas profissionais.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por reputação mundial, Petrobras retorna à F1 com a McLaren
2Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
3Brasil Open fecha com quatro emissoras
4Análise: Neymar não precisava de acordo com a Globo
5Cruzeiro resgata apelido e faz campanha por Libertadores
6Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
7Fundo chinês assume controle do grupo multimídia Mediapro
8Santos refaz acordo com Umbro, que vestirá clube até 2020
9Rede de fast-food argentina fecha com AFA para Copa do Mundo
10SporTV e Samsung fazem parceria e terão aplicativo em 4K para Copa 2018