Qualquer pessoa com o mínimo de sensibilidade e empatia ficou absolutamente estarrecida com as imagens que antecederam Coritiba e Corinthians no último domingo. Um torcedor, isolado, foi severamente espancado por outro grupo. Pouco tempo depois, autoridades chegaram a declarar a morte da vítima, informação negada em seguida.

O caso foi registrado na frente do estádio Couto Pereira, em Curitiba. Foi exatamente esse o local onde, há menos de seis meses, outro torcedor foi morto após tomar um tiro de um policial, horas antes do duelo entre Coritiba e Atlético Paranaense, disputado na Arena da Baixada.

Não caberá neste espaço ressaltar a notória incompetência dos órgãos públicos em evitar e, posteriormente, punir severamente os envolvidos em casos de tamanha atrocidade. Mas sobram espaços para criticar o desdém daqueles que organizam o evento. Para esses, o problema é de terceiros, como se não houvesse responsabilidade social das entidades esportivas ou, mais friamente, como se a violência não impactasse o produto futebol.

Em 2007, o Campeonato Italiano chegou a ter rodada suspensa após a morte de um policial. Meses depois, um torcedor da Lazio foi morto pela polícia, e mais uma vez houve a suspensão de partidas do torneio. Com o histórico de violência no futebol do país, a Liga tinha um objetivo claro: não banalizar as barbaridades ocorridas no entorno de arenas esportivas.

Essa é uma apreensão que deveria ser mais nítida aos olhos dos dirigentes brasileiros, historicamente mais preocupados com questões que pouco alteram o cenário geral. Como se sinalizadores fossem o epicentro do drama nos estádios.   


Notícia Violência Gestão

Número do dia

9 milhões

de reais é o valor estimado dos aparelhos de ginástica que foram instalados no Parque Olímpico e serão usados por atletas profissionais.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Por reputação mundial, Petrobras retorna à F1 com a McLaren
2Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
3Brasil Open fecha com quatro emissoras
4Análise: Neymar não precisava de acordo com a Globo
5Cruzeiro resgata apelido e faz campanha por Libertadores
6Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
7Fundo chinês assume controle do grupo multimídia Mediapro
8Santos refaz acordo com Umbro, que vestirá clube até 2020
9Rede de fast-food argentina fecha com AFA para Copa do Mundo
10SporTV e Samsung fazem parceria e terão aplicativo em 4K para Copa 2018