Aos poucos o mercado de fornecimento de material esportivo para os clubes de futebol começa a voltar para o padrão que teve no passado.

Sem a inflação provocada pela Copa do Mundo de 2014, com o fim da aventura de marcas que não duraram nem um ano (alguém ainda lembra da Dry World?) e com o recuo de empresas nacionais que sofreram com a crise (Lupo e Olympikus), o mercado tem sofrido um novo - e necessário - recuo.

Mas, nesse caminho, a desistência do acordo com a Kappa por parte do Santos é uma bola fora. Desde 2011, quando acertou com a Nike, o time paulista optava por um novo caminho na busca por dinheiro com venda de camisa. O Santos foi o primeiro entre os 12 de maior torcida a abrir mão de um pagamento mínimo do fornecedor para buscar mais verba por meio do pagamento dos royalties da venda.

O modelo, que é o que rege o mercado no futebol europeu para os clubes de médio porte, ainda engatinha por aqui. Clubes e fornecedores resolvem fechar valores fixos de contrato e pouco se esforçam na venda de camisa.

Com a economia embicada para baixo, fica ainda mais difícil para o clube justificar tentar ser diferente.

Mas, assim como foi há uma década, o futebol abriu mão da inovação.

Se, há dez anos, todos viam na Vulcabras (com a Reebok) a solução para o negócio, agora é o Grupo Dass, detentor da Umbro, que aparece com a empresa nacional que bancará custos fixos seguros e uma entrega relativamente pulverizada de uniformes.

Enquanto o clube grande não perceber que ele precisa ser o condutor do negócio de venda de camisas, Barcelona e PSG estarão à frente nas vendas no país do que Santos e Vasco...


Notícia Marketing Patrocínio Kappa Reebok Nike Adidas

Número do dia

900 milhões

de euros deve faturar o Barcelona neste ano, um incremento de 40% em relação à temporada passada; meta é de chegar a 1 bilhão em 2021.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Copa do Nordeste é primeiro torneio do continente a ter produtos licenciados
2Osasuna fecha com Hummel e é mais um a substituir Adidas
3Patrocínio da Petrobras é destaque em lançamento de novo carro da McLaren
4Centauro patrocina amistoso do Barcelona em Pernambuco
5Entre abertas e pagas, Brasil Open fecha com quatro emissoras
6Band abre mão de Copa, que só terá Globo na TV aberta
7Jogos de Inverno terão maior transmissão da história no Brasil
8Desodorante Axe, da Unilever, fecha com rivais Boca Juniors e River Plate
9Empresa de bebidas energéticas pode comprar Force India, da F1
10Alfa Romeo Sauber acerta patrocínio da Claro na F1