Há uns três anos, me surpreendi pelo ar deprimido de dois alunos ao entrar na sala para dar aula na Faap. Ambos eram torcedores do Milan. Naquela tarde, o clube havia sido eliminado, de maneira vexatória, da Liga dos Campeões.

Lembro de achar o episódio curioso e, até certo ponto, surreal. Não era.

Desde então, multiplicaram-se, por aqui, ações dos grandes europeus. São clínicas, palestras, sessões de autógrafo e fotos com ídolos do passado e uso dos craques do presente para arregimentar fãs.

Há torcidas organizadas desses clubes, que se reúnem para acompanhar os principais jogos. As camisas de Barcelona, Real Madrid e PSG são cobiçadas. As crianças sabem que poderão usá-las na rua em segurança. Risco que se multiplica se a vestimenta for de Corinthians, Flamengo, Palmeiras ou Vasco.  

Alguns meses atrás, entrevistei o diretor de marketing de um grande clube brasileiro. No meio do bate-papo, questionei as ações feitas para conter o crescimento de torcedores de times europeus no Brasil. A resposta foi quase irônica.

“Nossa torcida se renova naturalmente. Porque essa paixão é transmitida de pai para filho”, sentenciou.

Distante da miopia desse dirigente, há ações interessantes para conter as deserções infantis. Ontem, escrevi texto sobre iniciativa da startup Dentro da História e da editora Belas Letras de lançar livros infantis customizados aos pequenos torcedores. É uma forma de atrair a paixão das crianças pelas cores tradicionais do futebol brasileiro. Mas a iniciativa não partiu dos clubes, os maiores interessados em manter sua fatia no mercado.

Se nada for feito, o Brasil, com larga tradição no mundo da bola, irá se equiparar à Jamaica em uma ou duas gerações. Na terra de Usain Bolt, a torcida é pelos times da Premier League. Seria algo surpreendente: o país que um dia desbravou o mundo com o futebol-arte sendo colonizado pelos grandes europeus.


Notícia Torcida Mercado Jovens Clubes Marketing

Número do dia

350 mil

euros deve receber cada jogador da Alemanha por uma eventual conquista da Copa do Mundo de 2018, disse a federação alemã.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Fifa ameaça tirar a Espanha da Copa do Mundo de 2018
2Bundesliga cria regra, e clubes terão funcionários dedicados aos torcedores
3Disney compra parte da Fox em transação bilionária e cresce no esporte
4Globo bate recorde de audiência no RJ com o Flamengo
5Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
6Análise: Fox decide abrir mão de briga do streaming
7TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década
8Arena de Pernambuco será palco do primeiro jogo do Barcelona no Brasil
9Puma vibra com conquista do Independiente na Sul-Americana
10Estados Unidos querem ser sede permanente de Copa América