Alternar o poder de uma entidade não é garantia de processos mais limpos e eficientes, mas a briga democrática pelo poder certamente ajuda o desenvolvimento de práticas mais transparentes. E essa, infelizmente, ainda é uma realidade bastante distante do esporte brasileiro.

Os números impressionam. Nuzman, preso, dirigiu o Comitê Olímpico do Brasil por 22 anos. Ricardo Teixeira, que renunciou ao cargo da CBF, ficou na presidência por 23 anos. O caso mais extremo é de Coaracy Nunes, que ficou no comando da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos por incríveis 29 anos. E só deixou o poder depois de ser preso.

Em comum, os nomes têm o pulso forte para comandar. Senso democrático passa longe. E, com o poder concentrado, fica cada vez mais difícil de ter acesso ao que é feito. São formadas então verdadeiras máfias que, nesse caso, comandam o esporte nacional.

A prática é invariavelmente nociva. Em alguns clubes de futebol, ela foi abolida, graças a escândalos que envolveram nomes que se perpetuaram por décadas no poder. Mas, de forma geral, a realidade ainda está distante.

Paulo Wanderley, o novo Nuzman, já deixou claro que essa não é uma preocupação. Foram 16 anos de CBJ e, por ele, o período pode ser repetido no COB. No futebol, a “Folha de S.Paulo” publicou na terça-feira que Marco Polo Del Nero arcou com viagem e ingressos a diversos dirigentes votantes. Ele não pode sair do país, e também não quer sair da CBF.

Se o COB tem algum interesse em mudar o status quo da entidade, essa deveria ser uma das prioridades. Um ciclo olímpico já está bom demais para as velhas práticas de gestão.


Notícia Gestão

Número do dia

25 milhões

de reais é o preço do terreno que o Botafogo irá comprar, na zona oeste do Rio de Janeiro, para construir seu Centro de Treinamento.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Estado Islâmico ameaça Copa do Mundo, e Fifa liga alerta
2Santos se aproxima da Umbro e deve deixar Kappa
3De olho em Kaká, New Balance e Adidas lutam para vestir o São Paulo
4Band se aproxima de acordo para ter Copa do Mundo
5Com menos brasileiros, NBA tenta pico no país
6NBA fecha com Sportv, e terá 4 canais fechados no Brasil
7Parceira de Galvão Bueno, Embrase fatura R$ 350 mi com golfe
8Record faz oferta de R$ 100 mi a Corinthians e Fla
9Em baixa, São Paulo sobe audiência da quarta-feira
10Vitória reitera aposta em nova mascote